Geral

Marisa Serrano afirma que PT gosta de “agressão e estupidez”

Vice-presidente nacional do PSDB, a senadora Marisa Serrano se diz “indignada” com o programa do horário eleitoral gratuito da candidata Dilma Rousseff no qual foram mostradas imagens da agressão de membros do PT ao candidato José Serra em Campo Grande, Rio de Janeiro, em que, segundo a tucana, se tentou distorcer a realidade atribuindo à […]

Arquivo Publicado em 22/10/2010, às 11h38

None

Vice-presidente nacional do PSDB, a senadora Marisa Serrano se diz “indignada” com o programa do horário eleitoral gratuito da candidata Dilma Rousseff no qual foram mostradas imagens da agressão de membros do PT ao candidato José Serra em Campo Grande, Rio de Janeiro, em que, segundo a tucana, se tentou distorcer a realidade atribuindo à vítima a culpa de “um ato que degrada a democracia brasileira”.

Em nota encaminhada por sua assessoria à imprensa nesta manhã, Marisa disse que o PT é reincidente no embate agressivo, lembrando que o partido “não gosta de discutir idéias nem propostas, preferindo resolver as diferenças com agressão e estupidez”.

Marisa se referiu à reprodução de uma reportagem do SBT (reproduzida em parte no programa de Dilma) em que tenta induzir o telespectador a acreditar que o candidato José Serra simulou uma farsa para mostrar que tinha sido atingido por um objeto na cabeça.


Na verdade, conforme ficou demonstrado momentos antes no Jornal Nacional, Serra foi mesmo atingido por dois objetos em dois momentos diferentes, descartando qualquer possibilidade de ter havido uma “farsa” ou montagem de cena, como quis fazer crer o PT.

“O Brasil está escandalizado com este fato. O PT dissemina a cultura da agressão e da violência com o endosso do Presidente Lula”, reiterou a senadora, insistindo que tal acontecimento deve ser levado para a Justiça para punir os responsáveis.

“Qualquer cidadão que sonha em fazer de nosso País uma nação mais justa fica indignado quando o presidente, que deve o primeiro a defender o Estado de Direito, faz chacota com a agressão sofrida por Serra”, disse.

Para a senadora, “Lula estimula a impunidade e incentiva atos criminosos de sua militância reforçando a idéia de que, em vez de ser o principal mandatário do País, ele prefere agir como chefe de uma facção fascista”. Para Marisa, o comportamento do PSDB neste momento deve ser de serenidade, mantendo a postura, visto que “defendemos a paz e a democracia”, afirmou.

Segundo a senadora sul-mato-grossense – que também é uma das coordenadoras da campanha de José Serra – os últimos acontecimentos “mancham a história do Brasil, que sempre teve um povo tolerante e respeitoso com a diversidade, mas que está agora sofrendo um desvio por causa da atuação aloprada do PT”.

Jornal Midiamax