Geral

Lula teve influência na suspensão de pena a iraniana, diz Amorim

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, afirmou na tarde desta quarta-feira (8) que “as gestões do presidente Lula” tiveram um peso na decisão das autoridades iranianas de suspender a sentença de morte por apedrejamento de Sakineh Mohammadi Ashtiani, condenada por adultério. Durante as negociações com o Irã, o governo brasileiro chegou a […]

Arquivo Publicado em 08/09/2010, às 20h08

None

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, afirmou na tarde desta quarta-feira (8) que “as gestões do presidente Lula” tiveram um peso na decisão das autoridades iranianas de suspender a sentença de morte por apedrejamento de Sakineh Mohammadi Ashtiani, condenada por adultério.


Durante as negociações com o Irã, o governo brasileiro chegou a oferecer asilo político para Sakineh. Apesar da oferta, a proposta foi rejeitada pelo governo iraniano. Ashtiani, 43 anos, foi condenada à morte por apedrejamento sob a acusação de adultério e a dez anos de prisão por cumplicidade no assassinato de seu marido.


“Não podemos atribuir só a nós, mas certamente as gestões do presidente Lula terão tido um peso, como creio que já tiveram até agora, inclusive no que já aconteceu até hoje”, afirmou o chanceler.


Segundo Amorim, o governo Brasileiro foi comunicado oficialmente da suspensão da sentença de morte da iraniana pelo governo do Irã ainda nesta manhã. O ministro considerou como positiva a decisão.


Mesmo assim, afirmou que suspensão por parte do governo é apenas “um passo”. Nesta manhã, Ramin Mehmanparast, porta-voz da chancelaria iraniana, afirmou que o veredito sobre o caso foi suspenso, mas que está sendo revisto.


“Eu acho que é positivo que tenha sido suspenso. Evidentemente isso é apenas um passo. Nós sempre atuamos nisso com muito cuidado, porque a maneira real de defender a melhora real das pessoas não é com estridências, não é com condenações fáceis, mas mantendo uma atitude de diálogo como sempre fizemos. Se der certo, ótimo”, disse o chanceler brasileiro.


Amorim reafirmou que é necessário, contudo, respeitar a soberania dos países. Mesmo assim, ele se mostrou confiante em que o governo iraniano suspenda em definitivo a condenação de Sakineh.


“Vamos respeitar a soberania dos países e ao mesmo tempo esperar que um assunto como esse, que tocou na sensibilidade do mundo inteiro, possa ter uma boa conclusão”, afirmou.

Jornal Midiamax