Geral

Lançada cartilha para estimular a integração entre crianças do Mercosul

Aproveitar os personagens da Turma da Mônica, criados pelo desenhista Mauricio de Sousa, para promover a integração e a amizade entre as crianças do Mercosul é o objetivo de revista lançada hoje (16) em Foz do Iguaçu, durante a cúpula que reúne países do bloco. A revista Amizade sem Fronteiras – Turma da Mônica no […]

Arquivo Publicado em 16/12/2010, às 16h17

None

Aproveitar os personagens da Turma da Mônica, criados pelo desenhista Mauricio de Sousa, para promover a integração e a amizade entre as crianças do Mercosul é o objetivo de revista lançada hoje (16) em Foz do Iguaçu, durante a cúpula que reúne países do bloco.

A revista Amizade sem Fronteiras – Turma da Mônica no Mercosul, tem o apoio da Secretaria-Geral da Presidência da República, do Ministério das Relações Exteriores e da Itaipu Binacional.


“É uma cartilha com personagens infantis e simpáticos, que falam sorrindo, estendem a mão, abrem os braços para uma confraternização. Penso que é a melhor maneira de iniciarmos um projeto como esse”, disse Mauricio de Sousa.


Segundo ele, as cartilhas, que estão sendo distribuídas pelo governo brasileiro em escolas, por exemplo, têm versões em português, espanhol e guarani, línguas faladas no Mercosul. “É uma bandeira para o futuro. Se conseguirmos [fazer com] que nossas crianças, a princípio, comecem a falar os idiomas da região, já estaremos montando o grande espetáculo da união das nações e dos povos dos próximos decênios”, disse ele.


Para Mauricio de Sousa, esse projeto pode estimular também a busca, na América Latina, de outros desenhistas. “Minha proposta é estimular o surgimento de artistas e personagens que possam contracenar com a Turma da Mônica em grandes aventuras e que levem mensagens positivas, ecológicas, morais e de valores para as crianças”, afirmou.


“O que se aprende quando criança se leva para a vida. Todos nós, o Brasil inclusive, temos de parar de olhar para o mar e olhar para os amigos e vizinhos. Isso é o que está faltando. E nada melhor do que história em quadrinhos e personagens infantis para começarmos esse processo”, acrescentou o desenhista.

Jornal Midiamax