Geral

Jerson afirma que Assembleia dará resposta sobre caso Rigo

Horas depois de receber a comissão especial da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil) que acompanha as investigações das denúncias de corrupção nos três poderes o presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos (PMDB) disse em, entrevista coletiva, que a Casa de Leis não vai se omitir sobre as declarações do deputado estadual Ary Rigo (PSDB). […]

Arquivo Publicado em 26/10/2010, às 16h20

None

Horas depois de receber a comissão especial da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil) que acompanha as investigações das denúncias de corrupção nos três poderes o presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos (PMDB) disse em, entrevista coletiva, que a Casa de Leis não vai se omitir sobre as declarações do deputado estadual Ary Rigo (PSDB).

Primeiro secretário da Casa de Leis, o deputado tucano aparece em vídeo detalhando suposta partilha de dinheiro público entre membros dos três poderes. Rigo não foi eleito e já está no fim do mandato, mesmo assim Jerson diz que a Casa dará uma “resposta à sociedade”.

No vídeo, Rigo deu a entender que existiria um suposto mensalão na Casa de Leis, já negado por ele. Jerson afirmou que apenas Rigo pode esclarecer suas declarações. “Cabe somente a Rigo responder sobre suas falas”, disse o presidente da Assembleia.

Na semana passada, o corregedor da Casa de Leis, deputado Maurício Picarelli (PMDB) encaminhou seu parecer sobre o caso Rigo à Mesa Diretora. Ele pede que o colega seja ouvido pela Comissão de Ética da Casa. A OAB quer ter acesso ao depoimento. Jerson informou que concederá o pedido.

Jerson não deu detalhes sobre o parecer de Picarelli. Só disse que ele é bastante extenso. O presidente da Assembleia mencionou ainda que para dar início aos trabalhos da comissão é necessária a presença física e jurídica do deputado Rigo. O parlamentar pediu licença para tratamento de saúde por 25 dias. O afastamento está valendo desde 13 de outubro.


Um dos trechos mais polêmicos da conversa gravada entre os dois foi o seguinte: “Você sabe o seguinte, na Assembleia cada deputado não ganhava menos de R$ 120 mil, agora os deputados vão ter que se contentar com R$ 42 ( mil). Não tem como fazer. Para você ter idéia nós devolviámos R$ 2 milhões em dinheiro para o André (Andre Puccinelli – governador e candidato a reeleição pelo PMDB). R$ 900 (mil) para o desembargador do Tribunal de Justiça e R$ 300 (mil) para o Ministério Público. Cortou tudo! Nós vamos devolver R$ 6 milhões para o governo. Por isso que eu ando sumido. Então nós estamos criando um acordo, eles vão devolver 400 mil, não é mais 30%, comigo é 10%”,”, diz na gravação.

Rigo nega a existência de partilha de dinheiro público. Durante entrevista coletiva, ele afirmou que estava se referindo às diferenças cortadas do duodécimo, valor constitucional repassado aos poderes. Sobre os ganhos de cada deputado, informou que estava se referindo ao custo total de cada gabinete, não de dinheiro repassado a parlamentares.

Jornal Midiamax