Geral

Garoto de 13 anos é morto após se envolver em briga de gangue

Irmão da vítima diz que 15 'playboys' com correntes e tacos de beisebol atacaram grupo de 5 meninos da periferia; PM dispersou briga, mas menino desapareceu e corpo foi encontrado no córrego Sóter

Arquivo Publicado em 01/02/2010, às 19h50

None

Irmão da vítima diz que 15 ‘playboys’ com correntes e tacos de beisebol atacaram grupo de 5 meninos da periferia; PM dispersou briga, mas menino desapareceu e corpo foi encontrado no córrego Sóter

Tacos de beisebol, golpes de correntes. Às 21h30 nos Altos da Avenida Afonso Pena dois grupos de jovens se encontraram e o local, conhecido por ser ponto de lazer se transformou em palco de uma guerra urbana.

Cinco jovens de periferia, que estavam a pé, foram cercados por quinze jovens dispersos em vários automóveis. Eles teriam descido dos veículos armados com tacos de beisebol e correntes.

Na gíria urbana, os meninos pobres são chamados preconceituosamente de ‘maloqueiros’ e os ricos, ‘playboys’.

O menino Júlio César dos Santos Flores, 13, morador do Jardim Colúmbia levou chutes e foi alvo de pancadaria ao lado de outros quatro colegas entre eles, o irmão de 19 anos, o ajudante de serviços gerais, André Augusto dos Santos, que relatou o que teria acontecido na noite de domingo. A chegada da Polícia Militar teria dispersado os jovens.

Para a polícia, o que veio à tona no dia seguinte pode ter sido resultado de briga de gangue.

Hoje por volta das 14 horas o corpo adolescente Júlio foi encontrado pelo próprio irmão, no trecho do córrego Sóter, na Avenida Nery Martins, no Portal Itayara.

André dos Santos decidiu investigar o sumiço do irmão, na região do Parque do Sóter. Ele encontrou sapato e depois, o corpo.

Ele conta que ontem à noite após a briga, o grupo foi disperso. André foi para a casa dele, no Conjunto Arnaldo Estevão de Figueiredo. O irmão de 13 anos seguiu com alguns amigos para a região do Jardim Colúmbia.

Hoje, por volta do meio-dia, André tentou falar com o irmão através do telefone da mãe, Eloísa Elena dos Santos Flores. Ela disse que o filho de 13 anos não tinha ainda aparecido em casa.

Foi quando André resolveu procurar pelo irmão, descobriu que um amigo de Júlio foi levado para Santa Casa, vítima de golpes de taco de beisebol. Com a ajuda de amigos, o irmão mais velho foi até o córrego Sóter e lá encontrou o corpo do irmão. Ele suspeita de que os ‘playboys’ tenham seguido e matado o adolescente.

“Por que fizeram isso com o meu irmão? Eu que reagi, não ele. Eu quero Justiça e que a polícia investigue. Meu irmão não era de briga, não fazia nada disso. Foram eles [playboys]. Por que meu irmão?”, disse chorando na margem do córrego, a poucos metros da equipe da funerária que fazia o recolhimento do corpo. Os peritos fazem o levantamento no local. (Colaborou: Reginaldo Coelho)

Jornal Midiamax