Geral

Firjan defende reforma fiscal e controle dos gastos públicos no governo Dilma

A reforma fiscal e o controle dos gastos públicos devem ser a alavanca que impulsionará a economia brasileira no próximo governo, disse hoje (1) à Agência Brasil o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira. Ele defendeu que os gastos públicos sejam feitos de maneira equilibrada […]

Arquivo Publicado em 01/11/2010, às 19h08

None

A reforma fiscal e o controle dos gastos públicos devem ser a alavanca que impulsionará a economia brasileira no próximo governo, disse hoje (1) à Agência Brasil o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

Ele defendeu que os gastos públicos sejam feitos de maneira equilibrada para que o dólar possa ser valorizado, de forma a auxiliar a política de exportações do país. Gouvêa Vieira acredita que não há como o governo equilibrar a questão da moeda sem promover o equacionamento dos gastos públicos. “Esse dólar melhor só vem se nós tivermos resultados internos mais adequados. Nós vamos reduzir os juros e, por conseguinte, o dólar vai melhorar e vamos exportar mais”.

O presidente da Firjan destacou, ainda, a importância dos investimentos em infraestrutura para resolver os gargalos da exportação e ampliar a geração de empregos. “Tudo vem do gasto público. Eu entendi que a presidente (eleita) ontem, na sua declaração inicial, já abordou esse assunto. Nós temos que encarar o Estado maduro e os gastos mais razoáveis. Isso faz com que os juros caiam e o dólar suba”.

Jornal Midiamax