Geral

Falar em eleições agora é queimar etapas, diz defesa de Artuzi

Na avaliação do advogado do prefeito de Dourados Ari Artuzi (PDT), Carlos Marques, falar em novas eleições em Dourados sem que tenha se esgotado o processo criminal e o atual prefeito ainda tenha mandato é queimar etapas. Nesta manhã, o juiz Eduardo Machado Rocha tomou posse como prefeito interino de Dourados e anunciou que a […]

Arquivo Publicado em 04/09/2010, às 15h59

None

Na avaliação do advogado do prefeito de Dourados Ari Artuzi (PDT), Carlos Marques, falar em novas eleições em Dourados sem que tenha se esgotado o processo criminal e o atual prefeito ainda tenha mandato é queimar etapas. Nesta manhã, o juiz Eduardo Machado Rocha tomou posse como prefeito interino de Dourados e anunciou que a cidade terá novas eleições.


Artuzi está preso em Campo Grande sob a alegação de chefiar esquema de corrupção na prefeitura. Como todos os nomes da linha sucessória do prefeito também estão presos, o Tribunal de Justiça determinou que o juiz assumisse o cargo. “É um bom juiz. Vai cumprir o papel dele na interinidade”, diz o advogado.


Mas, ele discorda do anúncio de novas eleições. “Como novas eleições? O prefeito já foi cassado? Se ele estivesse sofrendo processo para perda de mandato, os advogados teriam que ser intimados primeiro. A gente teria que ter possibilidade de recursos”, afirma o advogado citando o rito de defesa.


Eduardo Machado Rocha não mencionou detalhes do novo pleito em Dourados, mas suas declarações geraram expectativas. Porém, seu mandato na prefeitura está programado para ser apenas interino.


Na semana que vem, o MPE deve ingressar com pedido de intervenção no Tribunal de Justiça. Caso a intervenção seja aceita pelo TJMS, caberá ao governador do Estado, André Puccinelli (PMDB) nomear um interventor. Ontem, o procurador-chefe do MPE, Paulo Alberto de Oliveira, disse que não é possível mensurar prazos para o mandato do juiz ou do interventor. “Tudo depende do andamento da ação”, explicou.

Jornal Midiamax