Geral

Entidades de Dourados exigem cassação dos corruptos e eleições diretas para novo prefeito

Enquanto o município continua com a situação política indefinida e ensaios para restabelecer a linha sucessória não funcionam, um juiz administra a cidade. O movimento reúne cerca de 40 entidades de vários segmentos da sociedade douradense e espalhou placas na cidade exigindo "eleições para prefeito já".

Arquivo Publicado em 21/09/2010, às 14h36

None

Enquanto o município continua com a situação política indefinida e ensaios para restabelecer a linha sucessória não funcionam, um juiz administra a cidade. O movimento reúne cerca de 40 entidades de vários segmentos da sociedade douradense e espalhou placas na cidade exigindo “eleições para prefeito já”.

Enquanto a cidade de Dourados não define quem será o seu prefeito em substituição a Ari Artuzi, que continua preso em Campo Grande por envolvimento no esquema de corrupção flagrado na administração municipal, um movimento popular com cerca de 40 entidades iniciou na manhã desta terça-feira (21) uma campanha com outdoor que pede a cassação dos políticos corruptos e eleições para prefeito.


A campanha é coordenada pelo CRDP (Comitê Regional de Defesa Popular), formado por entidades sindicais, associações comunitárias, estudantis e religiosas. A intenção da campanha publicitária é alertar a população sobre o momento político que a cidade está vivendo. O coordenador, Ronaldo Ferreira, afirmou que a população “não aceita imposições e quer um prefeito que saia das urnas”.


Nas placas, colocadas em diferentes regiões de Dourados, além de pedir a cassação e eleições já, foram colocadas fotos dos últimos protestos e a frase: “Para punir políticos corruptos nos resta a mobilização popular e o voto nas urnas”.


Ontem à tarde os representantes do Comitê estiveram reunidos com o juiz prefeito Eduardo Machado Rocha onde pediram eleições diretas e entregaram um documento onde solicitam a cassação dos envolvidos na Operação Uragano.


A coordenação do Comitê anunciou que os protestos contra os vereadores e o prefeito vão continuar na próxima segunda-feira quando será realizada a última sessão da Câmara antes das eleições.

Jornal Midiamax