Geral

Em fiscalização, PMA realiza prende dois pescadores

Policiais Militares Ambientais de Coxim, de Campo Grande e Cassilândia realizam, desde sexta feira, uma grande operação fluvial, em todos os rios da bacia do Taquari, no combate a pesca predatória e prenderam até agora dois pescadores por pesca predatória. Uma das equipes que fiscalizava o rio Coxim, em um local conhecido como Cachoeira do […]

Arquivo Publicado em 19/09/2010, às 16h11

None

Policiais Militares Ambientais de Coxim, de Campo Grande e Cassilândia realizam, desde sexta feira, uma grande operação fluvial, em todos os rios da bacia do Taquari, no combate a pesca predatória e prenderam até agora dois pescadores por pesca predatória.


Uma das equipes que fiscalizava o rio Coxim, em um local conhecido como Cachoeira do Campo prendeu ontem às 11h, Antonio Marcos Marques Bezerra, em Coxim/MS, por prática de pesca predatória. Ele havia capturado pescado com tamanhos inferiores ao permitido e com utilização de petrecho proibido pela legislação ambiental (tarrafa). No momento em que o pescador percebeu a aproximação da fiscalização tentou empreender fuga, sendo logo capturado. Com ele foram apreendidos quatro quilos de pescado e uma tarrafa. Ele recebeu voz de prisão e foi encaminhado a Delegacia de Polícia Civil de Coxim, onde foi autuado em flagrante e saiu após pagar fiança. O pescador também foi autuado administrativamente e multado em R$ 1 mil.


Outra equipe prendeu ontem às16h 40min, em uma localidade denominada corredeira da bananeira, no rio Taquari, em Pedro Gomes Aldo Ferreira dos Santos, residente em Pedro Gomes/MS, por captura de pescado com tamanhos inferiores ao permitido e com a utilização de petrecho proibido pela legislação ambiental. Com ele foram apreendidos 05 kg de pescado e 01 tarrafa. O autuado foi encaminhando à Delegacia de Polícia Civil de Pedro Gomes, onde foi autuado em flagrante e saiu após pagar fiança. Aldo também foi multado em R$ 1 mil.


Ambos os autuados responderão pelo crime ambiental e, se condenados, poderão pegar pena de um a três anos de detenção.


O reforço da fiscalização na bacia do Taquari deve-se ao grande índice de denúncia de pesca predatória com uso de redes e tarrafas (petrechos proibidos), por pescadores amadores e profissionais daquela região. Constantemente eles vinham conseguindo escapar da fiscalização, abandonando petrechos e se embrenhado nas matas. O maior número de policiais fechado o cerco, evita as fugas e responsabiliza os criminosos, que com tais petrechos poderiam dizimar cardumes rapidamente.


A PMA nesta operação tem conseguido evitar esta depredação, ao prender os elementos com pouca quantidade de pescado, ou seja, antes de maiores danos aos estoques pesqueiros.

Jornal Midiamax