Geral

Eleições 2010: TRE recebeu 9 denúncias no 2º turno; 1 por compra de votos

Levantamento divulgado pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) de Mato Grosso do Sul aponta que o disque-denúncia do órgão recebeu até agora nove queixas de irregularidades neste segundo turno das eleições presidenciais. Todas as reclamações são de Campo Grande. Foram três denúncias de bandeiras, cartazes e faixas móveis, duas por folhetos, adesivos, volantes e outros impresso...

Arquivo Publicado em 30/10/2010, às 18h52

None

Levantamento divulgado pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) de Mato Grosso do Sul aponta que o disque-denúncia do órgão recebeu até agora nove queixas de irregularidades neste segundo turno das eleições presidenciais. Todas as reclamações são de Campo Grande.

Foram três denúncias de bandeiras, cartazes e faixas móveis, duas por folhetos, adesivos, volantes e outros impressos e ainda compra de votos (1), propaganda eleitoral no rádio e televisão (1), uso de alto-falantes, amplificadores de som ou similares (1) e carreata irregular (1). Esta última, aliás, foi registrada no início desta tarde após as carreatas pró-Dilma Rousseff e pró-José Serra no centro de Campo Grande.

O TRE-MS recebe denúncias através do telefone 3326-8073 ou do e-mail [email protected] . Amanhã (31), dia das eleições o serviço estará no ar até o termino da votação.

O plantão da Polícia Federal permanece em tempo integral nas vésperas das eleições. O atendimento será feito pelo telefone 3368-1140. Tanto a Polícia Federal quanto os fiscais da Justiça Eleitoral têm ordens para efetuar prisões em flagrantes de pessoas que estejam descumprindo a legislação eleitoral e, ainda, de recolher todo e qualquer material irregular de campanha eleitoral.

Primeiro turno

Em quase dois meses e meio de funcionamento, de 13 de julho – quando foi habilitado o serviço – até 03 de outubro, o disque-denúncia registrou ao todo 1000 ocorrências, da quais 750 foram cadastras via sistema, por meio do telefone e e-mail, e 250 por ofício, fiscalizadas por iniciativa própria da Justiça Eleitoral.

Entre as ocorrências, as principais são delitos como boca de urna com 24%, seguido de compra de voto com 23%, e reunião de caráter político-eleitoral com 11%. Com informações da Assessoria de imprensa do TRE-MS.

Jornal Midiamax