Geral

Eleições 2010: Em discurso como derrotado, Serra agradece aos 43 milhões de eleitores

O candidato à presidência da República, José Serra (PSDB), fez o primeiro pronunciamento reconhecendo a derrota nas eleições de 31 de outubro. O tucano agradeceu ao apoio recebido nas urnas e nas ruas. “Quis o povo que não fosse agora. Mas sou muito grato aos 43 milhões e 600 mil brasileiros e brasileiras que votaram […]

Arquivo Publicado em 01/11/2010, às 01h01

None

O candidato à presidência da República, José Serra (PSDB), fez o primeiro pronunciamento reconhecendo a derrota nas eleições de 31 de outubro. O tucano agradeceu ao apoio recebido nas urnas e nas ruas.


“Quis o povo que não fosse agora. Mas sou muito grato aos 43 milhões e 600 mil brasileiros e brasileiras que votaram em mim”, declarou. Em um discurso com apelo emocional, o candidato do PSDB também reconheceu a gratidão devida aos militantes que lutaram nas ruas e na Internet em defesa de sua candidatura.


“Recebi de todo o Brasil a energia para essa campanha que durou sete meses desde que saí do governo de São Paulo, e chego nessa etapa final com a mesma energia que eu tive nos últimos meses”, disse.


“Grande companheiro”


Serra dedicou atenção especial nos agradecimentos ao governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), a quem chamou de grande companheiro. “Ele se empenhou na minha candidatura mais do que se empenhou na sua”, disse. O tucano lembrou ainda que sua coligação elegeu dez governadores.


“A maior vitória que nós conquistamos não foi mérito meu, mas de vocês [militantes]. Vim aqui não para falar da frustração, mas da confiança e da esperança. Vocês cavaram uma trincheira e consolidaram um campo político em defesa da liberdade e da democracia e das grandes causas sociais e econômicas do país”, afirmou Serra em discurso.


Serra finalizou o discurso mandando um recado para as próximas eleições. “E para o que nos imaginam derrotados, quero dizer: estamos apenas começando uma luta de verdade. Minha mensagem de despedida não é um adeus, mas um até logo. A luta continua. Viva o Brasil!”

Jornal Midiamax