Geral

Depois de críticas, Lula diz que mídia é ‘importante’

Após ter criticado duramente a oposição e setores da imprensa nos últimos comícios de Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva baixou o tom de suas declarações em ato político ao lado da candidata do PT à Presidência na noite desta sexta-feira (24), em Porto Alegre. Citando a eventual vitória de sua candidata, […]

Arquivo Publicado em 25/09/2010, às 01h41

None

Após ter criticado duramente a oposição e setores da imprensa nos últimos comícios de Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva baixou o tom de suas declarações em ato político ao lado da candidata do PT à Presidência na noite desta sexta-feira (24), em Porto Alegre.


Citando a eventual vitória de sua candidata, Lula disse que Dilma irá construir “grande unidade” no país, e previu um cenário de ânimos apaziguados após as eleições, sem contestação de resultados.


“Aqui não vai acontecer o que aconteceu no México, que quando o [presidente Felipe] Calderón ganhou, 1 milhão [de pessoas] ficaram na rua protestando, ou no Irã”, disse Lula, para afirmar em seguida que “perdeu tres eleições” e nunca fez “ato de protesto porque perdi”.


Lula também procurou amenizar o impacto de declarações recentes, quando chegou a dizer que setores da imprensa “destilavam ódio e mentira” em relação a seu governo. Pregou “humildade” e disse que a mídia é “muito importante” ao país.


“A imprensa é muito importante. A gente às vezes fica zangado quando a imprensa fala mal da gente, a gente fica feliz quando a imprensa fala bem. Quando a matéria dos jornais sai falando mal a gente ninguém gosta, quando fala bem o ego da gente cresce. A gente precisa ter humildade. Democracia é exatamente isso, cada um fala o que quer, e o povo na ultima hipótese faz o grande julgamento, balizando e consolidando a democracia”, afirmou.


Em outro momento do comício, Lula disse que a “democracia é um valor incomensuravel”, do qual “não abre mão”. Considerando a vitória de Dilma como certa, disse que a petista “não vai governar com cabeça no passado”. “Ela vai governar fortalecendo a democracia, estabelecendo a unidade nesse país.”


Ao final de sua participação, o presidente chegou a cometer ato falho ao se dizer triste por estar em seu último comício como “candidato” no Rio Grande do Sul. Corrigiu-se em seguida.

Jornal Midiamax