Geral

Dagoberto seria um bom vice para o PT em 2012, propõe Teruel

O deputado estadual Pedro Teruel avalia que o PT deve lançar candidato próprio à prefeitura de Campo Grande nas eleições de 2010. Ele mesmo concorreu em 2008 e disse que se o partido precisar dele novamente poderá concorrer de novo em 2012. O que não pode, segundo ele, é a legenda não ter uma candidatura […]

Arquivo Publicado em 29/10/2010, às 12h42

None

O deputado estadual Pedro Teruel avalia que o PT deve lançar candidato próprio à prefeitura de Campo Grande nas eleições de 2010. Ele mesmo concorreu em 2008 e disse que se o partido precisar dele novamente poderá concorrer de novo em 2012. O que não pode, segundo ele, é a legenda não ter uma candidatura própria.

Nesta semana, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) mencionou que quer concorrer à prefeitura da Capital e que gostaria de contar com a parceria dos petistas se o cenário eleitoral da ocasião permitir a aliança. Porém, o parlamentar reconhece que dependendo da situação seja melhor para ambos ter candidatos próprios.

Na opinião de Teruel, o PT tem que se esforçar para ter candidato próprio à prefeitura. “Acho que o Dagoberto seria um bom vice para o PT”, comenta o petista. Tanto Teruel quanto Dagoberto não conseguiram se eleger nas eleições deste ano e estarão sem mandato a partir do ano que vem.

Teruel buscou parceria com Dagoberto quando disputou a prefeitura da Capital em 2008. Na época, o deputado federal também se apresentava como pretenso candidato, mas seu partido o PDT acabou se decidindo pelo apoio ao prefeito Nelsinho Trad (PMDB) que foi reeleito em primeiro turno. Teruel foi o segundo colocado com 93,3 mil votos.

“O próximo prefeito tem que ser do PT. Temos bons nomes para concorrer como Vander Loubet, Zeca do PT, Gilda Gomes, Pedro Kemp e outros. Mas, se precisarem de mim é claro que eu concorro”, afirma.


Teruel também critica a gestão do PMDB na Capital que já dura quase 20 anos. Antes de Nelsinho, André Puccinelli (PMDB), hoje governador, administrou a cidade. “Eles só olham para o centro e deixam a periferia da cidade”, comenta.

Jornal Midiamax