Geral

Criança some de berçário do Hospital Universitário

Uma menina nascida ontem na maternidade do Hospital Universitário, em Campo Grande, sumiu misteriosamente na manhã desta segunda-feira. Parentes da criança estão desesperados a procura do bebê. O comando do hospital, ainda não se manifestou quanto ao desaparecimento. A dona de casa Laudinéia Alves, 25, deu entrada no hospital no sábado à noite e teve […]

Arquivo Publicado em 06/09/2010, às 19h33

None

Uma menina nascida ontem na maternidade do Hospital Universitário, em Campo Grande, sumiu misteriosamente na manhã desta segunda-feira. Parentes da criança estão desesperados a procura do bebê. O comando do hospital, ainda não se manifestou quanto ao desaparecimento.

A dona de casa Laudinéia Alves, 25, deu entrada no hospital no sábado à noite e teve o bebê por meio de cirurgia cesariana no domingo por volta das 9 horas. Desde então, parentes da mãe ficaram no hospital acompanhando-a.

Hoje, o pai da criança, Roberto Canavel deixou a enfermaria do hospital por volta das 9h. Apenas Laudineia e a filha ficaram no local. A dona de casa disse ter amamentado a criança, almoçado e cochilado por alguns minutos. Ao acordar viu que a criança já não estava no berço. Ela saiu à procura da enfermeira, que também não soube do paradeiro da recém-nascida.

A mãe, ainda com dificuldades de se locomover, ligou para os parentes, que foram logo para o hospital. O pai da menina, que recebeu o nome de Kely, percorreu por todas as seções do Hospital Universitário, inclusive fora dele, onde fica uma mata ao arredor, mas não achou nenhuma pista.

Até agora, os parentes permanecem em frente ao hospital e aguardam uma explicação. Roberto Canavel, o pai, foi registrar o caso à polícia. Roberto e Laudinéia têm outros dois filhos, de 4 e 3 anos de idade. O sumiço da criança ocorreu justamente na hora de troca de turno das enfermeiras.

O taxista José Aparecido de Moura, disse ter levado na hora do almoço uma mulher que carregava uma criança no colo até o posto de saúde Universitário, perto do hospital. Essa mulher, segundo o taxista, queria ir até o bairro Rouxinóis, mas seu dinheiro, R$ 13,00, não pagava a corrida, daí ela ficou no posto.

Ao descer do carro, ela teria chamado por um colega que se chamaria Renato. Essa pista será investigada pela polícia.

Matéria editada para acréscimo de informação às 16h47 minutos


Jornal Midiamax