Geral

Coordenadoras em campanha de candidato a deputado sofrem tentativa de assalto

As mulheres não quiseram pedir atendimento de emergência e há rumores de que hoje (15) seria o dia de pagamento dos cabos eleitorais: caso pode ter sido tentativa frustrada de roubo do dinheiro.

Arquivo Publicado em 15/09/2010, às 20h34

None

As mulheres não quiseram pedir atendimento de emergência e há rumores de que hoje (15) seria o dia de pagamento dos cabos eleitorais: caso pode ter sido tentativa frustrada de roubo do dinheiro.

A tentativa de assalto contra Jaqueline Coelho Alves de Miranda e Solange Barros, coordenadoras de campanha de um candidato a deputado estadual pela Coligação “Amor, Trabalho e Fé” , na tarde desta quinta-feira, mobilizou grande aparato policial, envolvendo policiais da Denar, Deco, Garras e Polícia Militar.

O fato aconteceu no cruzamento das ruas Bolívar e São Félix. Em depoimento as vítimas relataram que foram até a casa de Solange, que é a proprietária do veículo Peugeot 307, placa MGZ-2092, de Curitiba/PR, e logo saíram. No local descrito, dois homens em uma motocicleta Fan, cor preta, “fecharam” o carro, o garupa desceu, sacou uma arma e disparou três vezes contra o vidro do condutor, que era Jaqueline.

O que chamou a atenção dos agentes que atenderam a ocorrência foi que uma das mulheres proibiu que alguém acionasse o Corpo de Bombeiros ou o Samu para atendê-la alegando que queria a presença de um irmão dela que pertence ao quadro da segurança pública estadual (papiloscopista).

A Delegacia Especialidade de Roubos (Derf) é a responsável por investigar o caso. O delegado titular Roberval Maurício Cardoso Rodrigues revela que a linha de investigação é a de roubo, inclusive o boletim de ocorrência foi registrado como tentativa de roubo. Embora as duas mulheres tenham ligações políticas e tenham recusado atendimento, esta será a linha investigatória.

Um dos investigadores que esteve no local afirma que soube no local da ocorência que hoje seria dia de pagamento de cabos eleitorais do candidato para quem as mulheres trabalham. Por isso, a linha de investigação de assalto, pois alguém poderia ter repassado a informação para os dois homens. “Eles deram o bote errado achando que tinha dinheiro no carro”, diz o delegado Roberval.

Como o tiro não atingiu Jaqueline e ela não abriu a janela do automóvel, o homem ainda deu vários murros na tentativa de quebrar o vidro. Sem sucesso, os dois homens fugiram. Embora os tiros não tenham atingido a condutora, ela recebeu atendimento posterior para retirar os estilhaços de vidro, numa unidade de saúde.





Desde o fato, policiais militares do décimo batalhão, da Deco, Denar e Garras estão em diligências para tentar encontrar a dupla. A reportagem tentou conversar com o candidato, mas um assessor atendeu o telefone celular e informou que ele está em uma reunião política.

Jornal Midiamax