Geral

Comunidade Universitária pede a duplicação da Avenida Guaicurus em Dourados para evitar mais mortes

Durante mais de duas horas a comunidade universitária de Dourados fechou a Avenida Guaicurus, que dá acesso aos campus da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), pedindo a duplicação da via que, nos últimos meses, deixou um saldo de vários acidentes e mortes. O fechamento […]

Arquivo Publicado em 23/03/2010, às 18h00

None

Durante mais de duas horas a comunidade universitária de Dourados fechou a Avenida Guaicurus, que dá acesso aos campus da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), pedindo a duplicação da via que, nos últimos meses, deixou um saldo de vários acidentes e mortes.


O fechamento começou às 6h e foi organizado pelos diretórios de estudantes das duas universidades e pelo SISTA (Sindicato dos Técnicos Administrativos da UFGD). A presença marcante durante o protesto foi da dona-de-casa Gonçalina de Jesus, que administra o seu tempo cuidando da casa e de seu marido Luiz Florêncio da Silva, que está internado no Hospital da Vida depois de ser vitima de um acidente na avenida.


O coordenador do SISTA, Franz Maciel Mendes disse que os manifestantes querem que a avenida seja duplicada, com espaço para ciclistas, e passe a ter iluminação pública. Além disso, Franz defende a construção de uma via carreteira lateral para a circulação de máquinas agrícolas e de carroças dos índios da aldeia Bororó.


O sindicalista disse que a manifestação teve como objetivo sensibilizar toda a comunidade universitária e as pessoas que moram nas sitiocas e nos distritos de Picadinha e Itahum, agricultores e militares dos dois quartéis do Exército, da necessidade da duplicação, para evitar acidentes e garantir a tranquilidade de todos que usam a via.


A manifestação teve o apoio dos organismos militares. Durante todo o tempo do fechamento da avenida, estudantes, professores e técnicos das duas universidades distribuíram panfletos e adesivaram os veículos com o material de propaganda da campanha.


Franz Maciel afirmou que a comunidade universitária vai continuar o movimento, encaminhando reivindicações ao governador e pedindo o apoio do Ministério Público para encontrar uma solução rápida. Franz não descartou a realização de outro fechamento da via, neste caso, num tempo maior.


(Revisado às 15h20, para correções)

Jornal Midiamax