Geral

Comerciantes e acadêmicos da UEMS ‘abraçam a antiga rodoviária’

Ato pacífico reuniu os jovens e antigos membros do movimento estudantil de Campo Grande; prédio abandonado pode vir a ser pólo universitário se Governo e Prefeitura firmarem acordo; ato 'salvará' antigos comerciantes

Arquivo Publicado em 27/03/2010, às 14h18

None

Ato pacífico reuniu os jovens e antigos membros do movimento estudantil de Campo Grande; prédio abandonado pode vir a ser pólo universitário se Governo e Prefeitura firmarem acordo; ato ‘salvará’ antigos comerciantes

Abraçaram, nesta manhã, o prédio da antiga rodoviária em Campo Grande os acadêmicos da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul). Eles saíram a pé da praça Ary Coelho e seguiram para o local, onde ao menos 300 pessoas formaram a corrente humana em torno do o prédio, desativado desde a inauguração do novo terminal, na região do Universitária.

Nem a chuva atrapalhou a manifestação estudantil. Representantes da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) que também querem instalar cursos no local e comerciantes do terminal rodoviário também participaram como forma de apoio à reivindicação dos acadêmicos. Também compareceu o deputado estadual Pedro Teruel, que já fez parte da UNE.

O ato pacífico chamou a atenção de quem passou pelo local, abandonado ao longo dos anos. Com faixas e cartazes, os universitários pedem ao governador André Puccinelli uma ação para transformar o antigo terminal em universidade pública. Já ao prefeito Nelson Trad Filho, a reivindicação é pelos 8 mil metros quadrados – espaço suficiente dentro do prédio de 31 mil metros quadrados.

Nesta manhã, ao entregar casa do sorteio IPTU dá prêmios no bairro Monte Castelo, o prefeito informou que na semana que vem, quarta ou quinta-feira, ele e o governador André Puccinelli terão reunião decisiva sobre o assunto. O prefeito informou que os 8 mil metros que a UEMS precisa estão garantidos.

A rodoviária deverá, na verdade, se tornar um centro universitário com cursos da UEMS, UFMS e Uningá, do Paraná, que já aprovou projeto no Prodes (programa de incentivos fiscais da prefeitura da Capital) no ano passado e estaria de acordo e migrar para a rodoviária.

Segundo o movimento estudantil, hoje a UEMS funciona de forma improvisada na escola estadual Hércules Maymone, na Rua Joaquim Murtinho com a Avenida Eduardo Elias Zahran.

Alguns dos cursos que funcionam hoje são Artes Cênicas e Dança,Pedagogia, Letras e Geografia.

“Está funcionando em salas emprestadas até junho na escola Hércules Maymone. Depois teríamos que ir para a Escola Bartira que está reformando, no Arnaldo Estevão de Figueiredo, mas não atende a necessidade de expansão de cursos previstos no Projeto de Educação para UEMS, ou seja, a abertura de mais vagas públicas para a população como Cursos de Direito, Administração entre outros, além de pós – graduações e mestrado”, explica Gilsienny Arce Munhoz, membro da Comissão de Mobilização Estudantil e Social.

“Vale ressaltar que a localização privilegiada da antiga rodoviária também é um dos pontos fortes da luta dos acadêmicos por ser de fácil acesso e com a reativação das linhas de ônibus no local, resolveria os problemas que teríamos indo para Escola Bartira”.

Leia o manifesto dos acadêmicos na íntegra:

CONVITE AOS ESTUDANTES, MOVIMENTOS SOCIAIS E TODA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE

Abraço Simbólico em torno da Antiga Rodoviária

Na luta pela conquista do espaço da Antiga Rodoviária para o funcionamento de uma nova Unidade da UEMS – Garantindo mais vagas públicas no Ensino Superior, um espaço de fácil acesso e a revitalização do terminal rodoviário de Campo Grande, Heitor Eduardo Laburu, inaugurado em outubro de 1973, que já foi um dos lugares mais interessantes da capital. Construção imponente, duas salas de cinema, era o ponto de encontro preferido para amigos e casais apaixonados. O local era muito moderno para aquela época, muitas salas comerciais, estacionamentos, inspirava CULTURA, era SEGURO e dava ORGULHO AOS CAMPO-GRANDENSES. Foi o primeiro shopping da capital. Possui 25000m².Queremos resgatar essa história, que os comerciantes permaneçam com suas atividades e que para UEMS seja garantido o espaço de 8000m², espaço este que permitirá a ampliação de cursos de graduação e pós-graduação gratuitos a toda população sulmatogrossense.

Queremos oficializar o compromisso do Sr.Prefeito com a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS e pedimos também ao Sr.Governador e nossos deputados que assumam conosco, acadêmicos da UEMS e população em geral o compromisso de nos apoiar com a disponibilização de mais recursos para uma revitalização imediata que nos permita ocupar o espaço até julho deste ano, garantindo assim a tranqüilidade também as famílias que tem seu comércio no local e sofre com o abandono desde que novo terminal foi inaugurado.

Que nos seja garantido nossos 8000m² que atenderá a expectativa de todo campo-grandense que luta por um Ensino Superior Gratuito, vale ressaltar que hoje, 80% dos acadêmicos da UEMS são oriundos de Escolas Públicas.

Essa luta é de todos, aguardamos toda a população na rua no sábado, Abracem a nossa causa!

CONTAMOS COM VOCÊS!


Jornal Midiamax