Geral

Colônia Penal da Gameleira começa a funcionar em abril

O Centro Penal Agroindustrial de Campo Grande, na região da Gameleira, deve receber os primeiros internos já no mês de abril, segundo afirma o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Wantuir Jacini. O secretário explica que a obra do centro penal localizado na estrada da Gameleira, na região da saída para Sidrolândia, na Capital, […]

Arquivo Publicado em 24/03/2010, às 18h33

None

O Centro Penal Agroindustrial de Campo Grande, na região da Gameleira, deve receber os primeiros internos já no mês de abril, segundo afirma o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Wantuir Jacini. O secretário explica que a obra do centro penal localizado na estrada da Gameleira, na região da saída para Sidrolândia, na Capital, está totalmente concluída. O que impede o funcionamento imediato do semiaberto são as obras de esgoto do centro penal.


“Ocorre que as obras para o sistema de esgoto do Presídio Agroindustrial precisam passar por uma área federal e por isso precisamos resolver algumas questões burocráticas em Brasília, mas em meados de abril o Centro Penal da Gameleira já deve ser ativado”, completa o secretário.


Com a ativação do novo complexo penitenciário semiaberto da Capital, o Estado deve ganhar em vagas nos presídios que já funcionam, como a unidade penal de Dois Irmãos do Buriti – construída para atender detentos que cumprem pena em regime fechado. O presídio teve ativado o regime semiaberto em caráter emergencial para suprir a demanda do sistema carcerário no Estado.


Segundo Jacini, após a abertura do presídio da gameleira todos os detentos que cumprem regime semiaberto em Dois Irmãos do Buriti serão transferidos para a nova unidade da Capital. A ação deve liberar de 350 a 400 vagas no presídio do interior do Estado e também atende a uma decisão judicial que determinou a transferência de presos de Campo Grande.


O novo semiaberto conta com mais de seis mil metros quadrados de área construída e está localizado numa área de 50 hectares. A estrutura vai abrigar mil detentos. Foram construídas 120 celas, deste total, 40 são individuais. Nas celas coletivas que vão abrigar pelo menos 12 internos, foram construídos treliches com banheiros. Em frente às celas, encontra-se um amplo espaço para o banho de sol.


A obra também contempla barracões de serviços destinados ao desenvolvimento de projetos com cursos de qualificação. Cada barracão tem cerca de 1.200 mil metros quadrados de área construída.

Jornal Midiamax