Geral

CBF oficializa títulos nacionais de 1959 a 70 com homenagem a Pelé

Com a ilustre presença de Pelé, a CBF oficializa nesta quarta-feira, em uma cerimônia no Rio de Janeiro, os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como conquistas nacionais, os equiparando ao Campeonato Brasileiro. Com a decisão da entidade, Santos e Palmeiras passam a ser os detentores do maior número de títulos […]

Arquivo Publicado em 22/12/2010, às 15h46

None

Com a ilustre presença de Pelé, a CBF oficializa nesta quarta-feira, em uma cerimônia no Rio de Janeiro, os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como conquistas nacionais, os equiparando ao Campeonato Brasileiro. Com a decisão da entidade, Santos e Palmeiras passam a ser os detentores do maior número de títulos brasileiros – oito cada -, superando São Paulo e Flamengo, que têm seis (considerado o título da Copa União de 87 para o clube carioca). Bahia, Botafogo, Cruzeiro e Fluminense também passam a ter mais um título brasileiro cada no currículo. Também na cerimônia, a CBF anunciará um parecer jurídico que impossibilita o reconhecimento do hexacampeonato brasileiro há muito reivindicado pelo Flamengo. A informação é do colunista Ancelmo Gois, e publicada na edição desta quarta do jornal “O Globo”.


O grande homenageado do evento foi Pelé. O Rei do Futebol virou “hexacampeão brasileiro”, superando Andrade e Zinho, que possuem cinco Nacionais, e se tornou o principal recordista de títulos. Além de Pelé, o atacante Coutinho, o volante Lima e o meia Mengálvio também participaram das seis campanhas do Santos.


Pelé receberá as seis medalhas de campeão pelos títulos do Santos nos anos de 1961, 1962, 1963, 1964, 1965 e 1968. Na chegada ao local do evento, o Rei “criou” uma nova versão para o hino do Peixe.


– Oficialmente não, verdadeiramente (octacampeões brasileiros), vamos falar assim. Para todos os santistas (cantando): ‘Agora quem dá bola é o Santos, o Santos é oficialmente campeão’. Acho que era merecido esse reconhecimento. Agradeço a Deus por estar aqui, representando não só àqueles jogadores, mas os que já se foram. O Santos viajou o mundo, peregrinamos o mundo levando o nome do Santos. Todos (os títulos) foram muito difíceis. O Santos teve uma fase muito boa. Depois tiveram os campeonatos mundiais também, calamos a torcida do Boca (Juniors), na Argentina. Todas essas épocas podemos pegar e dizer que fomos heróis. Não tinha a mídia de hoje. Hoje, um jogador faz um gol e logo aparece. Que isso venha servir de exemplo para os jovens de hoje – disse ao SporTV.


Os presidentes dos seis clubes que passaram a ter mais títulos nacionais com a decisão da CBF também participaram da cerimônia, assim como o presidente de honra da Fifa, João Havelange.


A decisão da CBF de unificar os títulos brasileiros se baseou em um dossiê produzido pelo jornalista e pesquisador Odir Cunha, que há dois anos a pedido dos seis clubes interessados aceitou o desafio de iniciar um estudo para buscar o reconhecimento dos vencedores da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como campeões nacionais.


A CBF vai entregar 20 medalhas para cada clube vencedor distribuir para os jogadores que participaram de cada campanha do título nacional.


O Santos é o maior beneficiado com a posição da CBF e passa a ter reconhecidos como títulos nacionais cinco triunfos na Taça Brasil, disputada de 1959 a 1968, e um no “Robertão”, também chamado de Taça de Prata (realizado de 1967 a 70). O Palmeiras, com mais quatro títulos incorporados (dois de cada competição), também se torna octacampeão. Em 1967, o Alviverde venceu as duas competições.


Com a decisão, o Bahia passar a ser considerado oficialmente o primeiro campeão brasileiro, mérito que pertencia até então ao Atlético-MG, vencedor do Campeonato Brasileiro de 1971.

Jornal Midiamax