Geral

Campeiro é assassinado a tiros na frente da filha de 8 anos

Uma menina de 8 anos presenciou o assassinato de seu pai na noite de ontem (21) na Rua João Martins Montalvão no bairro Paranapungá em Três Lagoas. De acordo com a Polícia Militar, o campeiro A.N.S de 27 anos veio da fazenda onde trabalha para Três Lagoas, e foi até a residência de sua ex-mulher […]

Arquivo Publicado em 22/09/2010, às 15h06

None

Uma menina de 8 anos presenciou o assassinato de seu pai na noite de ontem (21) na Rua João Martins Montalvão no bairro Paranapungá em Três Lagoas. De acordo com a Polícia Militar, o campeiro A.N.S de 27 anos veio da fazenda onde trabalha para Três Lagoas, e foi até a residência de sua ex-mulher L.R.A de 25 anos para tratar sobre a pensão alimentícia de sua filha.


Durante a conversa, A.N.S acabou discutindo com a ex-companheira fato este que foi presenciado por um adolescente de 17 anos que reside próximo da casa de L.R.A. O menor entrou na briga do casal e logo em seguida deixou a residência da auxiliar de cozinha.


Minutos depois, o adolescente retornou ao imóvel com uma arma de fogo, possivelmente de calibre 32. Ele esperou o campeiro sair da residência e no momento em que o mesmo tentava entrar em um veículo que estava estacionado em frente à casa de sua ex-mulher, foi alvejado com um tiro.


A.N.S ainda tentou reagir sendo baleado novamente pelo estudante. Gravemente ferido o campeiro caiu no meio da rua, ocasião que o menor se aproximou da vítima e atirou pela terceira vez, acertando a região da boca do campeiro.


Na seqüência, o infrator correu até a sua casa onde pegou uma bicicleta e com a arma em punho fugiu no sentido a rodovia. A filha da vítima que assistiu a cena do crime provocada pelo menor, contou a PM que seu pai pediu para o garoto não atirar, pois ele já estava indo embora para a fazenda.


O Corpo de Bombeiros tentou reanimar o campeiro e o levou para o Hospital Auxiliadora aonde ele já chegou em óbito. Investigadores de Polícia Civil, a Polícia Militar e policiais da Delegacia de


Investigações Gerais (DIG) estiveram no local colhendo dados sobre a ocorrência, e posteriormente realizaram diligências a procura do infrator. Até o momento o adolescente não foi localizado, mas as buscas continuam com o intuito de apreender o menor. O homicídio foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac).

Jornal Midiamax