Geral

Brasil acertou ao descartar a Alca, avalia Amorim

O chanceler brasileiro Celso Amorim discursou ontem em um seminário sobre segurança internacional para militares e estrategistas americanos e europeus em Genebra e disse que a rejeição do acordo para a formação da Área de Livre Comércio das Américas, a Alca, deu lugar a um novo arranjo regional. Amorim destacou a relevância do Mercosul e […]

Arquivo Publicado em 12/09/2010, às 13h56

None

O chanceler brasileiro Celso Amorim discursou ontem em um seminário sobre segurança internacional para militares e estrategistas americanos e europeus em Genebra e disse que a rejeição do acordo para a formação da Área de Livre Comércio das Américas, a Alca, deu lugar a um novo arranjo regional. Amorim destacou a relevância do Mercosul e o fato de ter fechado acordos comerciais com os demais países da região.


Para ele, o projeto da Alca foi substituído por uma área efetiva de comércio na América do Sul. Citando um recente artigo da revista The Economist, Amorim insistiu que a região “não é quintal de ninguém”.


A avaliação do chanceler é de que as opções comerciais tiveram um papel central na nova realidade. Uma das provas da mudança, disse, é o fato de que a Argentina poderá fechar 2010 superando os Estados Unidos e transformando-se no segundo destino das exportações brasileiras. O primeiro lugar é da China.


A estimativa do governo é de que, em 2010, o comércio bilateral com a Argentina bata um recorde histórico, com mais de US$ 33 bilhões de fluxo de bens. Há oito anos, os Estados Unidos eram o destino de 26% de exportações do País. Hoje, representam menos de 10%.


 A eventual aceitação pelo Brasil da Alca, segundo Amorim, teria “consolidado” a posição da América Latina como “quintal dos Estados Unidos”. “O projeto da Alca que os americanos promoviam teria consolidado a região como quintal americano”, alertou Amorim, que aproveitou o encontro para fazer um exame da política externa do governo, a poucos meses de seu fim.


No início do governo Lula, os EUA tentaram pressionar para uma aceleração do acordo de livre comércio hemisférico. Mas o projeto foi bombardeado pelo Itamaraty ao ponto de o ex-representante comercial da Casa Branca, Robert Zoellick, insinuar que, sem a região, o Brasil teria de exportar para a Antártica. Zoellick hoje é presidente do Banco Mundial.

Jornal Midiamax