O governador André Puccinelli (PMDB) ainda não sabe como atenderá os apelos do deputado estadual Diogo Tita (PMDB) que quer permanecer na Assembleia Legislativa. Ontem, com o retorno de Carlos Marun à Casa de Leis ele voltou à condição de suplente. “Deputado é problema do Jerson Domingos”, respondeu André, em tom de brincadeira, durante solenidade no TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado) de Mato Grosso do Sul na manhã de hoje.

O deputado havia sugerido prorrogar a licença médica de Celina Jallad (PMDB) que passou por uma cirurgia e está repouso em São Paulo. Celina pediu 30 dias de afastamento, mas conforme o Regimento Interno da Assembleia a convocação do suplente só é necessária no caso de licença superior a 120 dias.

Tita queria que André conversasse com Celina a respeito. “A Celina não voltou ainda está se recuperando de uma cirurgia difícil. Não falei com ela sobre isso. Como médico nem posso fazer isso”, afirmou André Puccinelli.

Celina Jallad está encerrando sua carreira política e não concorrerá mais a eleições. Ela aguarda agora a indicação para o TCE-MS prometida pelo governador. Ocorre que André já sinalizou que não será possível fazer a acomodação imediatamente. Celina está à espera da vaga desde 2007. Acabou cedendo espaço em julho passado para o ex-deputado federal Waldir Neves, que assumiu na vaga deixada pela aposentadoria antecipada do conselheiro Augusto Wanderley, que só completaria 70 anos em janeiro de 2010.

A assessoria da deputada Celina Jallad informou que a parlamentar passou por uma cirurgia em no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Ela está em repouso. Até agora não houve qualquer diálogo sobre a possibilidade de prorrogar a licença médica da deputada para atender ao deputado Tita.

Celina está na luta contra o câncer. Em 9 de março deste ano, ela anunciou publicamente que iniciaria um tratamento para combater um carcinoma no seio esquerdo.