Geral

Advogado envolvido no caso Erenice Guerra sai da Casa Civil

Mais um personagem do suposto esquema de tráfico de influência que derrubou Erenice Guerra do cargo de ministra da Casa Civil pediu demissão nesta sexta-feira, 17. O advogado Stevan Knezevic deixou o cargo que ocupava no Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), órgão vinculado à presidência da República. Com a demissão, Stevan volta à Agência […]

Arquivo Publicado em 17/09/2010, às 22h39

None

Mais um personagem do suposto esquema de tráfico de influência que derrubou Erenice Guerra do cargo de ministra da Casa Civil pediu demissão nesta sexta-feira, 17. O advogado Stevan Knezevic deixou o cargo que ocupava no Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), órgão vinculado à presidência da República.


Com a demissão, Stevan volta à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), onde entrou por serviço público como técnico administrativo. No Sipam, durante pouco menos de um ano, Stevan Knezevic trabalhou como assessor da coordenação-geral de integração institucional. Cabia a ele redigir contratos de cooperação técnica, informou a assessoria do Sipam.


Stevan Knezevic tem 25 anos e foi mencionado pela última edição da revista Veja como sócio da empresa de consultoria Capital, por meio da qual Israel Guerra, filho da ex-ministra da Casa Civil, teria intermediado a renovação de licença para a MTA Linhas Aéreas.


O nome de Stevan voltou ao noticiário desta semana como personagem de negociação para liberar empréstimo bilionário no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).


O empresário e consultor Rubnei Quícoli, que teria tentado obter financiamento do banco para um empreendimento de energia solar no Nordeste, citou Knezevic como um “avião, com uma porta aberta na Casa Civil e outra no BNDES”.


O advogado trabalhou normalmente nos últimos quatro dias. A colegas de trabalho, negou que fosse sócio do filho de Erenice. Anteontem, recusou entrevista ao Estado. Disse que não se manifestaria sobre o episódio. Ontem, apareceu no Sipam para pedir demissão.

Jornal Midiamax