A Maratona Campo Grande realizou sua terceira edição no último domingo (7) e do total de inscritos, pelo menos 35% eram de fora da cidade ou até de outros estados. A quarta edição, em 2025, já está confirmada.

A Maratona teve provas de corrida de 7 km, 21 km (meia maratona) e 42 km (maratona), com largada nos altos da Avenida Afonso Pena, às 6h. Neste ano, participaram 3.170 corredores, sendo que 404 fizeram a maratona.

Conforme divulgou a organização nesta quarta-feira (10), os inscritos em 2024 aumentaram 57% da edição anterior – 35% do público de fora de Campo Grande. Uma das novidades desta edição era um bônus de 50% a mais do valor da premiação do 1º lugar se houvesse quebra dos recordes da prova nos 42 km.

Com isso, os recordes foram batidos tanto na categoria masculina quanto na feminina. Rodrigo Santana, 32 anos, eletricista de Dourados, foi o vencedor da maratona entre os homens, com tempo de 2:31:45. O recorde anterior era de 02:39:46.

“É um sentimento surreal, a prova é bastante difícil, mas vim com a meta de ser campeão e graças a Deus deu certo a estratégia”, comentou o ganhador. O segundo colocado foi Cristiano Carvalho da Silva, 42 anos, com tempo de 2:40:10, e o terceiro Marcos Antonio, que completou em 2:40:12, diferença de apenas dois décimos.

Já entre as mulheres, a primeira colocada foi Elaine Nascimento Gama, de apenas 27 anos, professora, que veio de Barra do Garça (MT) e completou em 3:11:04, 23 minutos a menos do que o recorde anterior, de 3:34:27. “Eu vim com o objetivo de ganhar a prova e bater o recorde, estou muito feliz com o resultado, por poder me desafiar nesse percurso e fazer meu melhor”, resumiu. No segundo lugar ficou Yasmin Suelen Maas, com tempo de 3:24:41, e no terceiro Juliana Pereira da Silva, tempo de 3:25:54.

Primeiro lugar feminino (Alicce Rodrigues, Jornal Midiamax)

Meia maratona

O vencedor da meia maratona categoria masculina foi Ederson Rodrigo de Jesus, de 37 anos, que completou em 1:15:00. A primeira colocada dos 21 km categoria feminina foi Gisele Bittencourt, também de 37 anos, com tempo de 1:26:33.

Gisele é treinadora e teve a torcida dos alunos. “É sempre gratificante, eu inspiro eles, mas eles nem sabe o quanto me inspiram também”, garante. Todos que completaram a prova receberam medalhas e houve premiação com troféus por faixa de idade.

No meio de tantos corredores, incontáveis histórias emocionantes e inspiradoras. Muitas famílias compareceram para torcer pelos atletas, tanto no percurso da prova quanto na linha de chegada, e momentos de emoção não faltaram.

O maratonista Bruno Alves Silva, de 30 anos, superou a cãibra que o acompanhou nos quilômetros finais e se emocionou ao lembrar do pai, que também era corredor. “Algumas pessoas zombavam de mim quando comecei, mas eu nunca desisti. Meu conselho para todos que estão começando é: acredite, é possível, nunca desista de você”, diz. Ele perdeu 52 quilos depois de começar a correr, em 2022, e venceu a depressão.

O casal Emanuelle Koemy, 34 anos, e Yuri de Souza, 36 anos, correu a maratona junto pela primeira vez. Eles se conheceram por meio da corrida e tiveram o apoio dos dois filhos na linha de chegada.

“A experiência de fazermos uma maratona juntos foi incrível, nos conhecemos na corrida de rua e desde lá já fizemos várias distâncias, mas faltava essa, e foi especial, porque estávamos comemorando nossos 13 anos recém-completados! A Maratona de Campo Grande foi um registro indescritível na nossa página 4753!”, contou Emanuelle.

O maratonista Nilson Lima, 71 anos, de Uberlândia (MG), um dos principais nomes do Brasil e do mundo na categoria, participou pela terceira vez da prova e concluiu sua maratona de número 362. “Eu tenho um carinho muito grande por essa prova. Correr você corre em qualquer lugar, mas essa tem um astral diferente, virou um ponto de encontro para os amigos, tem o chamamento turístico, tem uma organização muito atenciosa, então acho que isso está acima da corrida e me motiva a querer voltar sempre que possível”, diz.

Uma das coisas que marcam a realização de uma maratona é que a maior vitória é cruzar a linha de chegada, pois o percurso de 42,195 km é um desafio para todos que participam. Assim, os últimos que chegam recebem a mesma vibração e torcida dos primeiros.

Neste ano, a última corredora a concluir a prova no tempo de corte definido, que era de seis horas, foi Denise Amaral, 61 anos, que veio do Rio de Janeiro e tem 183 maratonas no currículo. Ela completou em 6:03:18 e elogiou a estrutura e a organização da prova.

maratona
Atendimentos (Alicce Rodrigues, Jornal Midiamax)

Maratona Campo Grande

A prova foi acompanhada e aferida pela Fams (Federação de Atletismo de Mato Grosso do Sul)
com a presença de 21 árbitros, tanto na linha de chegada como em todo o percurso. Foram mais de 400 pessoas trabalhando na logística de realização do evento, com 15 pontos de hidratação de água, em parceria com a Águas Guariroba, para amenizar os efeitos do tempo seco, e 30 mil copos de água disponibilizados.

Segundo o médico Augusto Azevedo, responsável pela equipe da Qualisalva, não houve nenhuma intercorrência grave, com apenas 17 atendimentos realizados. A quarta edição já está confirmada para 6 de julho de 2025.