Esportes

Ruschel chora pela perda de Danilo e diz que Follmann salvou sua vida

"Pelo que conversei com os médicos, acho que volto a jogar em uns cinco, seis meses"

Henrique Kawaminami Publicado em 19/12/2016, às 14h16

None
alan-ruschel-chora-em-entrevista-ao-fantastico-1482146667545_615x300.png

"Pelo que conversei com os médicos, acho que volto a jogar em uns cinco, seis meses"

O lateral Alan Ruschel foi o primeiro jogador da Chapecoense sobrevivente do acidente em Medellin a voltar para casa. Em entrevista ao Fantástico, o jogador se emocionou ao falar do amigo Danilo, que morreu no acidente, e ressaltou que sua vida foi salva pelo goleiro Jackson Follmann.

"Feliz por estar vivo. Mistura de sentimentos. Estou feliz por poder estar perto de quem eu gosto, vivo, por poder estar andando. E ao mesmo tempo tem sensação de perda, perdi muitos amigos. Danilo era um cara muito próximo. Ele e o Follmann", disse Ruschel.

"Sempre tem outro que tu se aproxima mais. E o Danilo era um cara que há dois finais de semana, a gente tinha ido passear, eu, minha noiva, a noiva dele, o filhinho. Essa semana a mulher dele colocou uma foto pedindo para eu tomar conta dela e do filhinho dela", completou o jogador enquanto chorava.

Ao falar de Follmann, que está no hospital se recuperando das lesões do acidente, o lateral lembrou que sua vida foi salva pelo goleiro.

"Nas três últimas poltronas. Eu lembro que olhei para o Follmann, o Follmann me chama de Rato, e falou: 'senta aqui'. Por ser ele, a gente se conhece desde 2007, sai do lugar e fui sentar com o Follmann. Ele estava salvando minha vida", relembrou.

O lateral já está com sua família e no fim de semana, ele teve a oportunidade de aproveitar um churrasco. "Preciso recuperar proteína", brincou.

Ruschel teve fratura vertebral, além de outras lesões menores. Chegou a correr o risco de ficar paraplégico, mas foi operado com sucesso e foi o primeiro a deixar o hospital na Colômbia, na semana passada. A evolução física é tanta, que o jogador já pensa até no retorno aos gramados.

"Pelo que conversei com os médicos, acho que volto a jogar em uns cinco, seis meses. Preciso de três meses para calcificar bem a coluna e, depois, recuperar a massa muscular. Emagreci muito, perdi nove quilos", disse.

Jornal Midiamax