Esportes

No 1º dia do judô atleta de MS fica em 5º lugar

Brasil não começou bem

Midiamax Publicado em 08/09/2016, às 21h13

None
judo-paralimpico-ouro1.jpg

Brasil não começou bem

O primeiro dia de competições paralímpicas não começou bem para os atletas brasileiros no judô. Quatro atletas lutaram hoje, mas a única que conseguiu chegar mais longe foi a sul-mato-grossense Michele Ferreira que, mesmo assim, não ganhou medalha. A judoca de Mundo Novo, distante 476 km de Campo Grande, perdeu para Cherine Abdellaoui, da Argélia, em luta decisiva e encerrou sua participação nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Michele foi a primeira atleta brasileira a entrar no tatame. Apesar de fazer uma boa luta e contar com o forte apoio da torcida levou um ippon da alemã Ramona Brussig nas quartas de final. Depois disso, ela disputou a repescagem com a japonesa Ayumi Ishii e conseguiu avançar na competição. Michelle disputou a medalha de bronze contra a argelina na categoria até 52 quilos, porém não conseguiu a vitória.

Conforme a Agência Brasil, o brasileiro Halyson Oliveira Boto ganhou sua primeira luta no judô masculino até 66 quilos. Ele derrotou o português Miguel Vieira por ippon (golpe máximo no judô e que, em uma luta, define o vencedor mesmo antes do fim do combate). Halyson passou para as quartas de final e onde perdeu para Mustafayev do Azerbaijão. A grande surpresa da luta foi a forte torcida do Arzebaijão que, em alguns momentos, chegou a superar a torcida brasileira, que ainda estava chegando na arena.

Boto teve mais uma chance em uma repescagem contra o coreano Jongseok Park, porém tomou um ippon e não foi capaz de seguir na competição. Na reta final, o brasileiro sofreu um golpe que valeu um wasari (segunda maior pontuação do judô e vale o equivalente a meio ippon) para o atleta do Azerbaijão. O atleta saiu chorando do tatame. No entanto, ele foi muito aplaudido pela torcida, que o apoiou o tempo todo.

Rayfran Pontes Mesquita, que disputa na categoria até 60 quilos, perdeu ainda na primeira fase para Uugankhuu Bolormaa da Mongólia. Ele não teve chance de disputar a repescagem em função da combinação desfavorável de resultados.

Já Karla Ferreira Cardoso, a Karlinha, enfrentou a ucraniana Yuliya Halinda na categoria até 48 quilos e foi derrotada depois de levar dois wazari nas quartas de final. Ela tentou a repescagem com a turca Ecem Tasin, mas perdeu após tomar um ippon com um minuto e trinta segundos de luta.

Jornal Midiamax