Esportes

Hamilton comanda dobradinha da Mercedes na China e abre vantagem

A primeira volta do Grande Prêmio da China foi repleta de brigas por posição

Gerciane Alves Publicado em 12/04/2015, às 10h47

None
hamilton.jpg

A primeira volta do Grande Prêmio da China foi repleta de brigas por posição

O britânico Lewis Hamilton completou um fim de semana perfeito ao vencer o Grande Prêmio da China de Fórmula 1, neste domingo. O piloto da Mercedes, que largou na pole position e foi o mais rápido também em todos os treinos livres, liderou a prova de ponta a ponta para comandar uma dobradinha da equipe Mercedes.

Hamilton recebeu a bandeira quadriculada na primeira colocação pela quarta vez em Xangai, logo à frente do alemão Nico Rosberg, seu companheiro na escuderia alemã. Sebastian Vettel completou o pódio na China ao ficar na terceira posição de uma prova que começou agitada, mas se encerrou monótona, com os carros em fila indiana logo após a saída do safety car.

A primeira volta do Grande Prêmio da China foi repleta de brigas por posição, até no pelotão de frente, mas a clara divisão de forças entre as equipes deixou o restante da corrida sem grandes emoções. Hamilton e Rosberg andaram na frente o tempo todo, sem ameaças de Vettel. Kimi Raikkonen foi o quarto, também sem sustos.

O finlandês tomou a quarta colocação do brasileiro Felipe Massa na largada e não a perdeu mais. O piloto paulista da Williams completou a corrida em quinto, seguido por Valtteri Bottas, seu companheiro de time. Romain Grosjean, da Lotus, apareceu na sequência.

O brasileiro Felipe Nasr acabou o GP da China na oitava colocação, uma à frente da que largou, marcando mais quatro pontos em sua curta carreira na F1. Daniel Ricciardo foi o nono e Marcus Ericsson encerrou a zona de pontuação em décimo.

Esta foi a 35ª vitória da carreira de 151 provas de Lewis Hamilton, que abre vantagem na liderança do Mundial. O piloto britânico agora soma 68 pontos, com 13 de vantagem sobre Sebastian Vettel, segundo colocado. Rosberg é o terceiro com 51 pontos, seguido pelo brasileiro Felipe Massa, com 30. A próxima etapa da temporada da F1 é o GP do Bahrein, em 19 de abril.

O britânico Lewis Hamilton alinhou seu carro torto no grid de largada, com o bico apontado à direita, para se defender de possíveis ataques de Nico Rosberg, já imaginando a sequência de ações da volta inicial. A estratégia funcionou e a dupla da Mercedes ficou imune à intensa briga por posições.

Largando em quarto, Massa tentou ganhar o terceiro posto de Sebastian Vettel antes da primeira curva, mas teve seu caminho bloqueado pelo alemão. Kimi Raikkonen e Valtteri Bottas se aproveitaram do fato e conseguiram ultrapassar o brasileiro. Antes do fim da primeira volta, no entanto, o paulista recuperou a quinta posição de seu companheiro de Williams, atrás de Hamilton, Rosberg, Vettel e Raikkonen.

Com dez voltas disputadas na China, a classificação era um demonstrativo da clara divisão de forças entre as equipes da F1 em seu início de temporada. Hamilton e Rosberg, da Mercedes, seguidos por Vettel e Raikkonen, da Ferrari, Massa e Bottas, da Williams, Romain Grosjean e Pastor Maldonado, da Lotus, e Felipe Nasr e Marcus Ericsson, da Sauber.

O brasileiro da equipe suíça foi o primeiro piloto a entrar nos boxes para a troca de pneus, optando por compostos médios, e teve seu movimento imitado por outros competidores do meio do pelotão. Entre os ponteiros, Vettel inaugurou a rodada de pit-stops, na abertura da 14ª volta.

As duplas de Mercedes e Ferrari retornaram à pista nas mesmas posições em que foram aos boxes e com pneus macios. A Williams adotou estratégia diferente e colocou compostos médios nos carros de Felipe Massa e Valtteri Bottas, o que contribuiu para o aumento da diferença de rendimento entre os bólidos.

Na ponta do pelotão, Hamilton tentou controlar o ritmo para poupar pneus e chegou a receber ordens da equipe Mercedes para andar mais rápido, a fim de evitar ataques dos pilotos da Ferrari. Funcionou. Ao mesmo tempo em que Rosberg sofria com o desgaste dos compostos, o britânico anotava as melhores voltas da corrida.

Hamilton foi aos boxes para sua segunda parada na 34ª volta, duas depois do que seu companheiro de Mercedes, e voltou à pista com vantagem bastante confortável sobre o restante dos competidores. A partir daí, só teve que se preocupar em guiar seu carro por mais 22 giros até receber a bandeira quadriculada.

As principais emoções no trecho final de prova estiveram em brigas no fim do pelotão. Primeiro, Daniel Ricciardo e Marcus Ericsson travaram boa batalha pela décima colocação, vencida pelo australiano da Red Bull. Depois, Pastor Maldonado e Jenson Button duelaram pelo 13º posto até se tocarem, em erro do britânico, a seis giros de Hamilton ser coroado como vencedor.

O fim monótono do GP da China foi decretado com a quebra da Toro Rosso de Max Verstappen na reta dos boxes a duas voltas da bandeira quadriculada, o que causou a entrada do carro de segurança. As dificuldades dos comissários de pista para manobrar o bólido do holandês, só retirado do local após intervenção de mecânicos da equipe, que retiraram seu bico, geraram as reações mais exaltadas do público em 56 voltas. Os competidores cruzaram a linha de chegada em fila indiana, segundos após o safety car retornar aos boxes.

Confira o resultado do Grande Prêmio da China de Fórmula 1:

1: Lewis Hamilton (ING/Mercedes)

2: Nico Rosberg (ALE/Mercedes)

3: Sebastian Vettel (ALE/Ferrari)

4: Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari)

5: Felipe Massa (BRA/Williams)

6: Valtteri Bottas (FIN/Williams)

7: Romain Grosjean (FRA/Lotus)

8: Felipe Nasr (BRA/Sauber)

9: Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull)

10: Marcus Ericsson (SUE/Sauber)

11: Sergio Pérez (MEX/Force India)

12: Fernando Alonso (ESP/McLaren)

13: Carlos Sainz Jr. (ESP/Toro Rosso)

14: Jenson Button (ING/McLaren)*

15: Will Stevens (ING/Manor Marussia)

16: Roberto Merhi (ESP/Manor Marussia)

*Punido com o acréscimo de 5s ao tempo total de prova pelo acidente com Pastor Maldonado

Não completaram:

Max Verstappen (HOL/Toro Rosso)

Pastor Maldonado (VEN/Lotus)

Daniil Kvyat (RUS/Red Bull)

Nico Hulkenberg (ALE/Force India)

Jornal Midiamax