Esportes

Entre títulos e vaias, Neymar fica em silêncio estranho

Essa tranquilidade começou a mudar na Seleção

Diego Alves Publicado em 14/06/2015, às 22h48

None
neymarfestamichaelprobstap.jpg

Essa tranquilidade começou a mudar na Seleção

Neymar se apresentou à Seleção Brasileira há seis dias, mas até agora não falou. O atacante do Barcelona já treinou, jogou, viajou, foi muito elogiado, foi vaiado por brasileiros e exaltado por chilenos. Mas em nenhum momento fez alguma declaração oficial. Isso causa algum estranhamento, por causa do momento atual do atacante, tanto dentro quanto fora de campo.

Com a bola rolando, Neymar é só sucesso no Barcelona. Completou uma temporada recheada de gols, títulos e atuações decisivas ao lado de Lionel Messi e Luis Suárez. Tudo isso foi coroado com a conquista da Liga dos Campeões no sábado passado.

Porém, essa tranquilidade começou a mudar na Seleção: após se apresentar na segunda-feira e treinar na terça, ele viu parte da torcida brasileira vaiar seu time no Estádio Beira-Rio, mesmo com a vitória por 1 a 0 contra Honduras. Claramente isso incomodou o atacante. A Rede Globo flagrou o momento em que ele apareceu gritando para seus companheiros saírem logo do gramado, sem cumprimentar os fãs. “Mete o pé, mete o pé”.

Após o jogo, ao contrário do que acontece normalmente, Neymar sequer andou na “zona mista”, local onde os jogadores passam para ir embora de estádios e podem ser entrevistados. Ele usou uma saída à parte e assim ficou em silêncio.

Depois disso, aconteceram duas entrevistas coletivas em que Neymar poderia ter se manifestado. Na quinta-feira, David Luiz e Douglas Costa falaram com a imprensa. Neste sábado, véspera do jogo contra o Peru, o jogador que deu entrevista para Dunga foi o volante Elias. É claro que não é Neymar que escolhe quem dá entrevistas na Seleção, mas ele poderia influenciar essa decisão, se quisesse falar.

O fato chama ainda mais atenção quando percebemos que quase todos astros das principais seleções da Copa América já deram entrevista. O maior deles, Lionel Messi, conversou com jogadores na primeira oportunidade que teve . Edinson Cavani falou e até cometeu uma gafe, dizendo que a Jamaica fica na África . Falcao García respondeu a críticas sobre seu desempenho na seleção. Arturo Vidal e Paolo Guerrero também já deram entrevistas.

O silêncio de Neymar só é quebrado, em partes, no Instagram. Nos últimos dias ele usou a rede social para dar parabéns a alguns amigos, como Philippe Coutinho, Falcão e Thiago Gagliasso. Também registrou momentos privados da Seleção, com Felipe Anderson e Daniel Alves, mas com legendar curtas, sem escrever nada relevante.

Por que o silêncio?

Problemas recentes indicam que talvez Neymar queira evitar alguns assuntos, como as vaias no Beira-Rio ou até algo mais grave: o atacante e seu pai estão sendo investigados pela Receita Federal e pelo Ministério Público por suspeita de sonegação fiscal e falsidade ideológica, entre outros crimes. Até os bens do atacante já estão sendo arrolados, ou seja, monitorados para serem usados como garantia. Caso seja considerado culpado, Neymar corre até o risco de receber a pior punição já dada pela Justiça a um esportista brasileiro.

Pode até ser um silêncio temporário e ocasional, sem um grande motivo. Pode ser que ele dê entrevista neste domingo, em Temuco, após o jogo contra o Peru, como sempre fez, dando atenção aos jornalistas de forma tranquila e sem destratar ninguém. Mas quando Neymar resolver falar, haverá outra pergunta a ser feita para ele: “por que você estava em silêncio logo agora?”

Jornal Midiamax