Esportes

Em coletiva Zico confirma sua candidatura à presidência da Fifa

Ex-jogador convocou entrevista coletiva para confirmar sua intenção de concorrer ao cargo

Gerciane Alves Publicado em 10/06/2015, às 19h43

None
zico_fifa.jpg

Ex-jogador convocou entrevista coletiva para confirmar sua intenção de concorrer ao cargo

O ex-jogador Zico confirmou nesta quarta-feira (10) sua candidatura à presidência da Fifa. O anúncio foi feito em uma coletiva de imprensa convocada por ele para esclarecer a postagem que havia feito em uma rede social anunciando que pretendia se candidatar.

Durante a coletiva, Zico criticou o histórico de continuísmo no poder da instituição, e lembrou que, mesmo aos 62 anos de idade, só se recorda de dois nomes que ocuparam o cargo.

“Eu tenho 62 anos e me lembro de apenas dois presidentes da Fifa: o João Havelange e o Blatter. Isso é inadmissível. Essa questão do continuísmo, isso afasta as pessoas de tentarem dar uma contribuição”, comentou o Galinho.

Ao ser questionado sobre uma possível união com Michel Platini, de quem é amigo pessoal, para concorrer ao cargo, Zico afirmou que não comentou o assunto com o amigo, mas lembrou que Platini segue muito bem no comando da Uefa.

“Tudo é possível. Sou muito amigo dele e ele realmente está muito bem na Uefa. Ele ainda não se decidiu, e acho que ninguém vai se decidir enquanto todo mundo ficar sabendo as regras do jogo. Certamente vai ter uma reunião do Comitê da Fifa para discutir a situação atual. A hora agora é de ver quem tem vontade”, explicou.

Sobre a regra de que para ser candidato de maneira oficial é preciso do apoio de pelo menos cinco confederações, Zico criticou, e disse que a corrupção pode ter início a partir desse momento, pois com esses apoios podem começar as “trocas de favores”.

“Se as regras do jogo se mantiverem, a possibilidade de me candidatar é pequena. Hoje em dia, as pessoas que já estão ali no meio teriam a vitória consumada, principalmente porque, por exemplo, em 2010 eu vi 202 federações aclamarem o Blatter. Não conversei com ninguém. Eu sou contra isso de ser indicado. Já pode começar aí uma troca de favores. A eleição deve ser feita pelos seus serviços prestados ao futebol”, lamentou.

Zico comentou que o fato de ter sido um nome forte do esporte deveria pesar a favor de futuros candidatos, pois estes, estão no meio há muito tempo e conhecem melhor do que qualquer outra pessoa o mundo do futebol.

“A minha candidatura tem uma vida como atleta, técnico, ex-secretário de esportes, ex-presidente de Sindicato de Atletas… Essa vida me dá condição de me candidatar a um cargo como esse”, encerrou.

Jornal Midiamax