Brasil bate Argentina em revanche do handebol e reconquista a América

O jogo não valia classificação olímpica
| 26/07/2015
- 05:09
Brasil bate Argentina em revanche do handebol e reconquista a América

O jogo não valia classificação olímpica

Final do handebol na América é sinônimo de Brasil x Argentina. As duas seleções disputam a hegemonia do continente americano. Apesar de ter vencido os Jogos Pan-Americanos de 2003 e 2007, a seleção brasileira perdeu para os argentinos a final do Pan de 2011 e do Campeonato Pan-Americano da modalidade em 2012.

Neste sábado, em Toronto, porém, o Brasil reconquistou a hegemonia do handebol na América ao vencer os argentinos por 29 a 27 em final muito disputada, recheada de rivalidade e decidida apenas na prorrogação. O grande destaque brasileiro foi o goleiro Maik, que fechou a meta brasileira do início ao fim da decisão. 

O jogo não valia classificação olímpica, como em Guadalajara-2011, quando os argentinos levaram a melhor e tiraram os brasileiros de Londres, mas o foco da seleção era total na partida. Com as duas seleções já garantidas no Rio-2016, a final valeu a medalha de ouro, a revanche e a chance dizer quem é o melhor da América.

Na semifinal, após derrotar o Chile, alguns jogadores brasileiros admitiram que estavam engasgados com os hermanos. Na torcida, o clima também ficou quente. O pequeno espaço para a disputa do handebol no Canadá tinha duas torcidas bem divididas na final masculina. Os argentinos, porém, gritavam mais e colocavam mais pressão nos brasileiros dentro de quadra.

Os goleiros tomaram conta do jogo no primeiro tempo. O argentino Matias Schulz defendeu mais de 50% das bolas. O brasileiro Maik, um pouco atrás, teve 41% de aproveitamento. Os brasileiros abriram 4 a 1 no começo, muito devido a dois tiros de 7 metros. Os argentinos só foram equilibrar o jogo e virar depois da metade da primeira etapa. No fim, 11 a 9 para Argentina, na maior liderança da partida até aquele momento.

O Brasil dominou o jogo a partir da metade do segundo tempo. Sempre um ponto na frente. A defesa brasileira apertou os tiros de seis metros. Enquanto na frente, Petrus e Hubner decidiam. O goleiro brasileiro também teve participação decisiva em três lances. Dois deles, cara a cara, depois de uma perdida de bola no ataque. No final, a Argentina  empatou o jogo em 24 a 24 e o Brasil teve a chance de decidir o título no minuto final, em tiro livre de sete metros em que Hubner falhou.

Na prorrogação, o jogo continuou muito disputado, com a rivalidade à flor da pele. O goleiro Maik continuou fechando o gol e o Brasil  se manteve à frente sempre por um ponto. A dois minutos do fim, Thiagus foi expulso, deixando o Brasil com um jogador a menos. Mas o Brasil tinha Maik, que fez mais uma grande defesa para fechar sua atuação épica contra os maiores rivais.

Veja também

Pâmela Rosa fica na 2ª posição, com japonesa Momiji Nishiya sendo 3ª

Últimas notícias