Ibovespa inicia agosto em baixa de 0,91%, a 102.225,08 pontos

| 01/08/2022
- 17:09
Bolsa de valores dólar ibovespa
Bolsa de valores - (Foto: Divulgação)

Tendo segurado a linha de seis dígitos em cinco das últimas seis sessões, e vindo de ganhos nas três anteriores à desta segunda-feira, 1º, o iniciou agosto em baixa de 0,91%, a 102.225,08 pontos, entre mínima de 101.764,38 e máxima de 103 317,48 nesta segunda-feira, acentuando a correção ao longo da tarde. O giro financeiro foi de R$ 23,4 bilhões. No ano, o Ibovespa cede 2,48%.

As perdas se distribuíram por ações e setores de maior peso e liquidez, mas mineração (Vale ON -2,39%) e siderurgia (Usiminas PNA -4,76%, CSN ON -3,94%, Gerdau PN -3,23%) foram especialmente afetadas pela contração em julho do índice de atividade (PMI) oficial da China, a 49,0, ante previsão a 50,3 para o mês. Na zona do euro, o PMI industrial foi a 49,8, também abaixo do limiar (50) que separa expansão de contração, atingindo em julho o menor nível em 25 meses. Por outro lado, o PMI do Instituto para Gestão da Oferta (ISM), nos Estados Unidos, manteve-se positivo, a 52,8 em julho, embora no menor patamar desde junho de 2020.

"Na Alemanha, as vendas no varejo tiveram forte queda, saindo de avanço anual de 1,1% para queda de 8,8% na comparação ano a ano, em junho", observa em nota a Nova Futura Investimentos. Prevaleceu desde a manhã falta de sinal único nos mercados, com expectativa para novas rodadas de dados econômicos e de balanços ao longo da semana, escreve a Guide Investimentos.

Neste começo de mês, leituras mais fracas sobre os índices de atividade nas maiores economias funcionaram hoje como um contraponto aos balanços corporativos do segundo trimestre e aos sinais um pouco mais amenos do Federal Reserve sobre os juros americanos, uma combinação que, em geral, vinha animando os investidores e contribuindo para retomada, ainda que moderada, do apetite por risco. Assim, o S&P 500 teve em julho o melhor mês desde novembro de 2020, aponta Rachel de Sá, chefe de Economia da Rico Investimentos, com a B3 buscando acompanhar, no "flow gringo", especialmente nos momentos em que as commodities responderam bem.

Contudo, a combinação de dois trimestres consecutivos de retração para o PIB americano, conforme dados conhecidos na semana passada, contribui agora para que analistas revejam projeções para os resultados adiante, das empresas. Assim, a semana começou de forma negativa também nos mercados acionários da Europa e dos Estados Unidos, com grau um pouco maior de correção por aqui, em dia de queda acentuada para o petróleo, com o Brent mais uma vez abaixo de US$ 100 por barril, e de baixa moderada para o minério de ferro em Qingdao, na China.

Entre os destaques de baixa na sessão, ON e PN cederam respectivamente 1,24% e 1,38%, enquanto as perdas entre os grandes bancos chegaram a 2,23% (Unit do Santander). Na ponta negativa do Ibovespa, Braskem (-5,53%), à frente de SLC Agrícola (-4,99%) e Usiminas (-4,76%). No lado oposto, Magazine Luiza (+5,43%), Locaweb (+5,02%) e BRF (+4,76%).

"O dia começou até de forma favorável no exterior, apesar do PMI mais fraco na China, mas sendo compensado por uma temporada de resultados corporativos melhores, e pelos recentes sinais do Fed de que pode moderar o ritmo de aumento de juros nos próximos meses. A semana reserva aqui a decisão do Copom, e a expectativa é por mais uma alta de 50 pontos-base, o que pode ser positivo para o câmbio, mas há também dados de emprego nos Estados Unidos, que podem contribuir para um tom de cautela ao longo da semana", diz Cristiane Quartaroli, economista do Banco Ourinvest

Veja também

Um dia depois de atingir o menor nível em oito semanas, o dólar subiu, influenciado...

Últimas notícias