Dólar reduz alta com apostas em juro mais alto no Brasil

O dólar à vista terminou em leve alta de 0,12%, a R$ 5,2604
| 09/02/2022
- 01:50
Agência Brasil
Agência Brasil

O dólar até fechou em alta nesta terça-feira, mas chegou ao fim da sessão em tom mais fraco e longe das máximas do dia, com operadores reduzindo a demanda pela moeda norte-americana na esteira da melhora do sentimento externo e após interpretações de que os juros no Brasil poderão subir ainda mais, provendo assim um escudo mais forte para a taxa de câmbio.

O dólar à vista terminou em leve alta de 0,12%, a R$ 5,2604. Ficou, assim, distante do pico intradiário, quando bateu R$ 5,291 (+0,7%). Na mínima, a cotação registrou variação negativa de 0,05%, a R$ 5,2514.

Uma cesta de moedas emergentes chegou ao fim da tarde em ligeiro ganho de 0,05%, após cair quase 0,2% na mínima de mais cedo. Outra evidência do clima melhor entre os investidores, as bolsas de valores de Nova York tinham firmes altas, tomando fôlego em relação a mais cedo.

O foco dos mercados está em dados de inflação nos Estados Unidos a serem divulgados nesta semana, mas enquanto isso o "trade" positivo com emergentes prossegue, a despeito das incertezas sobre as altas de juros em países desenvolvidos -- que poderiam reduzir a atratividade de moedas como o real.

Nesse sentido, o câmbio encontrou algum suporte no entendimento de operadores, baseado na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), de que o poderia elevar mais os juros no Brasil, possivelmente acima de 12%, ante os atuais 10,75%. O juro implícito em contratos a termo de real para um ano subiu a 11,7% anuais nesta terça, contra mínima recente de 11,36%.

"Os ativos locais, em especial o real, têm apresentado desempenho absoluto e relativo bastante positivo neste começo de ano. Acredito que o diferencial de juros, a atratividade de nossa bolsa e, consequentemente, os fluxos, estão favorecendo este movimento", comentou Dan Kawa, diretor de investimentos e sócio da TAG Investimentos, que, contudo, levanta dúvidas sobre a sustentabilidade dessa dinâmica.

"Tenho enormes dificuldades em acreditar que este movimento será estrutural. Não sei dizer ao certo até onde o movimento irá, mas acredito que será mais pontual do que permanente", completou.

Ibovespa

O principal índice da bolsa brasileira fechou em leve alta nesta terça-feira, após acelerar no final do pregão, com o efeito de dia positivo em Wall Street superando o impacto da queda do petróleo e da indicação pelo Banco Central de aperto monetário para além do esperado por parte do mercado.

Os papéis da e de outras petrolíferas pressionaram o índice, enquanto Vale e JBS estiveram na ponta oposta. De acordo com dados preliminares, o Ibovespa subiu 0,22%, a 112.239,13 pontos. O volume financeiro da sessão foi de R$ 22,6 bilhões.

 

 

Veja também

Na comparação com junho de 2021, houve crescimento de 7,6 pontos percentuais

Últimas notícias