Cotidiano / Economia

Preço da cesta básica tem alta de 26% em um ano em Campo Grande, aponta Dieese

É a 2ª maior variação entre as capitais pesquisadas, atrás apenas de Brasília (33,36%)

Gabriel Maymone Publicado em 08/06/2021, às 10h11

Comprar alimentos básicos está, em média, 26% mais caro em Campo Grande
Comprar alimentos básicos está, em média, 26% mais caro em Campo Grande - Divulgação

O preço da cesta básica registrou alta de 26,28% em um ano em Campo Grande, a 2ª maior entre as capitais pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), conforme levantamento divulgado nesta terça-feira (08).

Apesar da alta  verificada na comparação com o ano passado, maio de 2021 teve queda de 1,96% no preço dos alimentos de necessidade básica, caindo para R$ 575,01. Assim, a capital sul-mato-grossense tem a 8ª cesta básica mais cara do país.

Os produtos com maior variação no mês de maio foram: manteiga (4,11%) e óleo de soja (3,33%). Por outro lado, o preço da banana caiu 11,73% e do tomate 7,14%, que ajudaram no saldo negativo do mês.

Por fim, o levantamento conclui que, para uma família composta por 4 pessoas, o custo para compra dos alimentos básicos para o mês é de R$ 1.725,03.

Jornal Midiamax