Cotidiano / Economia

Reinaldo mantém arrocho fiscal e ICMS tem arrecadação maior que R$ 600 milhões entre março e abril

Mesmo com baixa, arrecadação de maio ainda é maior que o dos primeiros dois meses do ano

Fábio Oruê Publicado em 20/06/2021, às 08h03

Arrecadação do ICMS tem aumentado no Estado
Arrecadação do ICMS tem aumentado no Estado - Foto: Divulgação

Mato Grosso do Sul registrou aumento na arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em março e abril de 2021, em relação aos dois primeiro meses do ano. Enquanto em janeiro e fevereiro o valor ficou na casa dos R$ 500 milhões, os dois meses seguintes registraram R$ 600 milhões, efeitos do arrocho fiscal mantido pela gestão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). 

De acordo com os dados do Portal da Transparência do Governo de MS, em janeiro e fevereiro a arrecadação foi de R$ 580.833.607,51e R$ 558.836.905,47, respectivamente. Esse número passou para R$ 603.702.670,35 em março e teve um novo aumento em abril, quando fechou em R$ 634.983.155,34, representando um aumento de cerca de 13% na arrecadação desde fevereiro. 

Em maio, com R$ 592.993.740,64, houve uma nova diminuição nos ganhos, porém o total ainda foi maior do que os dois primeiros meses de 2021.

Neste mês, ainda conforme o Portal da Transparência, até quinta-feira (17), MS já tinha arrecadado R$ 303.529.297,20. No total, em neste ano, o governo já ganhou R$ 3.274.879.376 com o ICMS.

R$ 300 milhões a mais em 2 meses

Nos 2 primeiros meses deste ano, a arrecadação do Governo Reinaldo Azambuja foi quase 15% maior que no mesmo período de 2020, ou seja, mais de R$ 300 milhões de diferença. 

O apetite do Tesouro de Mato Grosso do Sul se reflete na alta de tributos e falta de um alívio ou compensação para empresários, que pudessem ver a carga tributária reduzida, ou para a população, que continuou a pagar tarifação cheia para vários produtos básicos –inclusive reajustados durante a pandemia, caso do ICMS da gasolina, que chega a 30% do preço do litro e gerou protestos quanto a aplicação de uma pauta fiscal que a encarece em mais R$ 0,18.

Somente agora, um ano depois da pandemia e de todo o arrocho enfrentado pelos agentes da economia, que ainda enfrentaram exigência de redução de clientes nos estabelecimentos e até fechamento das portas em setores como o de entretenimento, é que o Governo de Mato Grosso do Sul anunciou a criação de um auxílio de R$ 200 para autônomos e desempregados –até então, houve um reforço no Vale Renda.

[Arrecadação estadual vem registrando alta]
Arecadação cresceu quase 15% no primeiro bimestre, mesmo com os efeitos da pandemia na economia de MS. (Imagem: Confaz/Reprodução)

Em janeiro e fevereiro deste ano, os tributos estaduais totalizaram R$ 2.703.983.996. No primeiro bimestre do ano passado, quando a pandemia ainda não era uma realizada que forçava o fechamento de comércios e restrições de outras atividades econômicas, foram R$ 2.354.321.702.

Mesmo com todos os obstáculos que a Covid-19 impôs para a economia, houve uma evolução de 14,85% nos tributos estaduais. E em relação ao ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), a diferença foi ainda maior: de R$ 1.756.854,03 entre janeiro e fevereiro de 2020, a arrecadação no início deste ano chegou a R$ 2.061.247.000,15, evolução de 17,33% ou R$ 304,4 milhões.

Jornal Midiamax