Cotidiano / Economia

MSGás e parceiras recebem 24 propostas em chamada pública para compra de gás natural

Propostas foram apresentadas por 8 empresas, sendo que 19 projetos avançam na negociação para fornecimento de gás em 2022

Humberto Marques Publicado em 10/06/2021, às 18h34

Chamada pública visa a contratar suprimento e fornecimento de gás natural
Chamada pública visa a contratar suprimento e fornecimento de gás natural - MSGás/Divulgação

Dois produtores de gás natural e três comercializadores ganharam prioridade na rodada de negociação aberta pela MSGás (Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul) na CP22 (Chamada Pública Coordenada), focada em contrato de suprimento e fornecimento do combustível a partir de 2022. A iniciativa envolve outras distribuidoras do centro-sul do Brasil.

Ao todo, a CP22 recebeu 24 propostas, das quais 19 foram priorizadas para a negociação ainda neste mês. Shell e Petrobras (produtoras de gás) e GasBridge, Trafigura e New Fortress foram priorizadas nas negociações. Também comercializadoras, Ebrasil, Compass e Nimofast seguem no processo para futura negociação.

As empresas foram selecionadas com base em critérios qualitativos (experiência, disponibilidade da molécula e acesso à infraestrutura) e quantitativos (preço da molécula e transporte). As propostas incluem diferentes modalidades de atendimento, vinculadas à produção nacional, importação via gasoduto e via GNL (gás natural liquefeito).

Além do preço, serão observadas condições operacionais e comerciais e garantias de fornecimento para fechamento dos contratos. No total, a chamada pública atraiu 13 potenciais supridores e 130 propostas de suprimento. O resultado foi superior ao do primeiro processo realizado, sendo encarado como um sinal favorável à abertura do mercado de gás no Brasil com o aumento dos agentes e fontes supridoras.

“Estamos acompanhando muito atentamente essa chamada pública com o intuito de ampliar ainda mais as possibilidades de desenvolvimento atrelado ao gás natural em Mato Grosso do Sul. Certamente é um grande avanço o número de interessadas em fornecer o gás, e essa negociação contribui diretamente no processo de crescimento econômico do Estado”, avaliou Rui Pires dos Santos, diretor-presidente da MSGás.

Apesar das propostas, ainda há questões relacionadas à regulação do transporte do gás a serem superadas. “Nosso objetivo com a chamada pública coordenada entre as distribuidoras do Centro-Sul é ter novas condições de fornecimento que possibilitem o desenvolvimento do mercado, com a diversificação de agentes supridores, e que melhor atenda às necessidades dos nossos consumidores, chegando a um gás com preço mais competitivo”, diz Rafael Lamastra Jr., presidente do Conselho de Administração da Abegás e diretor-presidente da Compagas.

A chamada pública envolveu as distribuidoras MSGás, GasBrasiliano, Compagas (Companhia Paranaense de Gás), SCGás (Companhia de Gás de Santa Catarina) e Sulgás (Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul) visa a oferecer competitividade aos mercados cativos atendidos. O potencial de contratação a médio prazo supera os 6 milhões de m³/dia. As 5 distribuidoras respondem por 15% do mercado de distribuição de gás no Brasil, com mais de 170 mil consumidores.

Jornal Midiamax