Campo Grande tem 60 mil cadastros desatualizados; saiba o que fazer para receber o Auxílio Brasil

Novo auxílio, que substitui o Bolsa Família, deve ser pago ainda em novembro
| 08/11/2021
- 14:49
Atualização cadastral pode ser feita no CRAS ou no site.
Atualização cadastral pode ser feita no CRAS ou no site. - Marcos Ermínio/Midiamax

Conhecido popularmente como o ‘substituto’ do Bolsa Família, o novo programa social Auxílio Brasil deve atender famílias em situação de vulnerabilidade com o pagamento de um valor mensal mínimo de R$ 400. Porém, para serem contempladas no novo programa, as famílias devem manter o Cadastro Único em dia. Só em Campo Grande, são 60 mil cadastros desatualizados, o que pode inviabilizar o recebimento do benefício. Saiba o que fazer e onde comparecer para atualizar os dados. 

Para quem ainda não compreendeu a mudança, o Bolsa Família chegou ao fim o governo criou um novo programa: o Auxílio Brasil. Podem participar do programa as famílias de situação de extrema pobreza ou em situação de pobreza. Confira as regras e quem tem direito ao benefício aqui. 

Para receber o benefício, as famílias precisam estar inscritas no Cadastro Único e estes dados devem estar atualizados. Conforme informações do Governo Federal, os pagamentos do Auxílio Brasil começam no dia 17 de novembro para cerca de 14,6 milhões de famílias em todo o país. “Todas as pessoas já cadastradas receberão o benefício automaticamente, seguindo o calendário habitual do programa anterior, o Bolsa Família”, informou o governo. 

Quem estiver com o cadastro desatualizado pode ter problemas. A SAS (Secretaria Municipal de Assistência Social) aponta que há 60 mil cadastros desatualizados em Campo Grande. Com isso, essas famílias correm risco de perder o benefício e, não só deixar de receber o Auxílio Brasil, mas também podem perder o BPC (Benefício de Prestação Continuada), também conhecido por  LOAS. 

Diante da situação, a SAS lança a campanha ‘Não Perca Seu Benefício’, que tem o objetivo de buscar o maior número de beneficiários com o Cadastro Único desatualizado, além de realizar ações de busca ativa às famílias inscritas no CadÚnico para promover a atualização dos dados. A gerente do Cadastro Único, Viviane Brandão, afirma que a taxa de atualização cadastral no Município caiu de forma drástica durante a pandemia. Em 2021, o número de famílias incluídas no Cadastro Único aumentou e hoje já são 140.040 famílias cadastradas. 

Entre aqueles que estavam cadastrados no Bolsa Família e correm risco de perder o Auxílio Brasil por causa de dados desatualizados, são 19 mil pessoas. Para auxiliar, a SAS planeja ações para ajudar as famílias. 

“Estamos em várias frentes de ação em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, que está entregando 30 mil informativos aos alunos das escolas municipais que compõem famílias beneficiárias, garantindo assim maior alcance do público alvo. Outra importante ajuda é da Agência Municipal de Tecnologia da Informação e Inovação, que criou uma consulta on-line no site da Prefeitura para que as famílias possam verificar sua situação cadastral”, frisou Viviane Brandão.

Como faço para atualizar o Cadastro Único?

Para garantir o recebimento dos benefícios do Governo Federal, as famílias devem manter o Cadastro Único em dia. Para conferir a situação cadastral, a família ou usuário inscrito precisa procurar um Cras (Centro de Referência da Assistência Social), Centro de Convivência ou a Central do Cadastro Único, localizada na SAS. 

É preciso levar os seguintes documentos originais dos familiares: RG; CPF; conta de luz; carteira de trabalho; comprovante de renda. Também é possível conferir a situação cadastral no site. Basta inserir o nome completo e o número do NIS.

Em caso de dúvidas, o usuário pode entrar em contato pelo telefone (67) 3314-4482, ramais 6152, 6037 e 6038 ou pelo Whatsapp (67) 98472-6891. Também é possível obter informações direto na Central do Cadastro Único, localizada na Rua dos Barbosas, 321, bairro Amambaí.

Veja também

Últimas notícias