Cotidiano / Economia

Auxílio emergencial: último prazo para fazer contestação chega ao fim nesta semana

Para beneficiários do Bolsa Família este prazo acabou no último sábado

Fábio Oruê Publicado em 03/05/2021, às 14h45

Beneficiário que tiver o auxílio negado não irá receber mais este ano
Beneficiário que tiver o auxílio negado não irá receber mais este ano - Foto: Arquivo/ Jornal Midiamax

O último prazo, divulgado até este momento, para contestação do auxílio emergencial está chegando ao seu fim. A data máxima é na próxima quinta-feira (6) e quem perder pode não conseguir receber o benefício este ano.

A nova data foi estabelecida para aqueles que receberam a resposta do auxílio na última segunda-feira (26). A contestação do auxílio emergencial desta vez, porém, exclui beneficiários que tiveram o benefício negado no início do mês.

Já os beneficiários do Bolsa Família tiveram até o último sábado (1º) para contestação do auxílio emergencial. Até agora o governo não anunciou nenhuma nova data para este grupo.

Para chegar aos beneficiários do auxílio emergencial este ano foi realizada uma consulta no banco de dados do governo. Apenas quem recebeu o auxílio emergencial em 2020 e movimentou os valores poderá ser contemplado este ano. Uma nova rodada para inscrição não foi aberta até agora.

Como contestar?

Para contestar a decisão será necessário consultar o auxílio emergencial 2021. Na sequência, se você tiver o benefício negado poderá visualizar o motivo e selecionar “Solicitar contestação”.

Uma pergunta ainda aparecerá questionando se o beneficiário tem certeza de que deseja dar sequência ao processo de contestação do auxílio emergencial.

Em caso de dúvidas, pode-se entrar em contato com o Ministério da Cidadania, pelo número 121 ou ainda por meio de formulário online da Ouvidoria.

Também é possível enviar uma carta para o endereço: SMAS – Setor de Múltiplas Atividades Sul Trecho 03, lote 01, Edifício The Union, térreo, sala 32, CEP: 70610-051 – Brasília/DF.

Neste último caso, o contato pode ser mais demorado já que é necessário que o Ministério receba a carta pelos correios.

Jornal Midiamax