Pesquisa de preços do Procon-MS em floriculturas encontra variação de até 255,56%

O Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul) realizou pesquisa de preços em floriculturas, levando em consideração a proximidade do Dia Internacional da Mulher, celebrado na sexta-feira (8), e encontrou variação de valores de até 255,56%. A pesquisa foi realizada entre os dias 22 a 25 de fevereiro e […]
| 06/03/2019
- 19:18
Pesquisa do Procon-MS encontrou maior variação em flores (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo Midiamax)
Pesquisa do Procon-MS encontrou maior variação em flores (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo Midiamax) - Pesquisa do Procon-MS encontrou maior variação em flores (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo Midiamax)

O (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul) realizou pesquisa de preços em floriculturas, levando em consideração a proximidade do Dia Internacional da Mulher, celebrado na sexta-feira (8), e encontrou variação de valores de até 255,56%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 a 25 de fevereiro e verificou preços de nove itens em 12 estabelecimentos especializados. De acordo com a pesquisa, o produto com maior discrepância nos presos era o buquê de flores do campo médio, que em um local foi encontrado a R$ 160,00 e em outro vendido por R$ 45,00, variação de 255,56%.

Outro produto apontado pela pesquisa com variação grande foi a orquídea em vaso com duas hastes. Ele custa R$ 150,00 em algumas floriculturas e em outra sai bem mais barato, sendo vendido a R$ 52,00, diferença de 188,48%.

Segundo o Proncon-MS, entre os 12 locais pesquisados, dois estabelecimentos se destacaram, um por apresentar o menor preço encontrado em seis dos nove itens pesquisados e outro por ter os maiores preços também em seis produtos.

Para o superintendente do Procon-MS, Marcelo Salomão, a grande variação dos produtos entre os estabelecimentos pesquisados mostra a importância de o consumidor comparar preços antes de comprar. “O resultado é sempre a oportunidade de encontrar diferenças compensadoras. Economizar sempre faz bem”. (Com assessoria)

Veja também

Das 189.220 famílias endividadas em julho, 27,4% têm contas em atraso e 11,5% não terão condições de pagar o que devem

Últimas notícias