ICMS sobre o diesel mais alto em MS já fechou 50 postos, revela sindicato

  Apesar do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) ter afirmado que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), tributo estadual, representa 17% do preço final do óleo diesel, o Sinpetro acredita que uma nova redução da alíquota pode aumentar o consumo do combustível em Mato Grosso do Sul. Em MS, o ICMS sobre o […]
| 25/05/2018
- 13:36
ICMS sobre o diesel mais alto em MS já fechou 50 postos, revela sindicato

 

Apesar do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) ter afirmado que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), tributo estadual, representa 17% do preço final do óleo diesel, o Sinpetro acredita que uma nova redução da alíquota pode aumentar o consumo do combustível em Mato Grosso do Sul.

Em MS, o ICMS sobre o diesel é de 17%, e no 2º semestre de 2015 chegou a cair para 12%, numa tentativa de aumentar o consumo no Estado. À época, segundo o governo, o resultado foi menor que o esperado e a medida durou apenas seis meses. Para o Sinpetro ( Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul) alíquota maior gera perda para o setor regional.

Segundo a entidade, Mato Grosso do Sul perde para Estados vizinhos um volume de mais de 40%, no que tange ao consumo de diesel, o que o sindicato afirma que já ocasionou fechamento de mais de 50 postos de combustíveis em território sul-mato-grossense.

Alíquota

De acordo com o sindicato, o governo estadual prometeu uma nova discussão, ‘futuramente’, sobre a redução da alíquota do ICMS sobre o óleo diesel, numa tentativa de aumentar o consumo, reabrir os postos e gerar novos empregos no setor.

Ontem, quinta-feira (24), durante agenda pública, Reinaldo afirmou que a solução para a crise causada pela cabe à União, e não anunciou discussão sobre redução de impostos estaduais.

“O grande problema do combustível é precificação baseada no dólar, o barril de petróleo foi de 38 para 80 dólares e também puxou o preço do combustível para cima”, frisou o tucano.

O titular da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento), Jaime Verruck, disse que o governo estadual pode contribuir para auxiliar na resolução da crise causada pela greve dos caminhoneiros, mas que cabe à União definição sobre nova formula de composição dos preços dos combustíveis.

Redução

Apesar da redução de alíquota de ICMS ainda não ter sido oficialmente discutida pelo governo federal, que sequer convidou governadores para tratar da crise, alguns Estados já se anteciparam na tentativa de solucionar o problema de desabastecimento causado pela greve.

No fim da noite de ontem, o governo do Rio de Janeiro anunciou uma redução na alíquota do ICMS sobre o diesel de 16% para 12%, porém não detalhou quanto a medida deve representar de queda no preço final do combustível.

Veja também

Em mais um dia de alívio global, o dólar voltou a cair para menos de...

Últimas notícias