Cotidiano / Economia

O que está acontecendo? Essencial no churrasco de MS, mandioca está em falta

Vendedores dizem que é a pior falta em 8 anos

Clayton Neves Publicado em 23/10/2016, às 10h42

None
bba65fe6-5d2b-40ee-ae60-7386f56d839b.jpg

Vendedores dizem que é a pior falta em 8 anos

Apreciada na culinária dos sul-mato-grossenses e a parceira ideal do churrasco dos fins de semana, a mandioca, está em falta nos mercados de Campo Grande. Vendedores que comercializam a raiz afirmam que a escassez é a pior já registrada nos últimos oito anos e o preço, é claro, já subiu. O quilo chega a ser encontrado a seis reais, segundo constatou a reportagem do Jornal Midiamax.

No Mercado Municipal, são poucas as bancas que ainda exibem alguns exemplares, mesmo assim, os produtos não têm agradado muito a clientela que reclama da qualidade. “Além de ser difícil encontrar, é muito comum a gente comprar, e na hora de por na panela não cozinhar direito”, relata a diarista Lídia Mendes da Silva, de 45 anos.

A má qualidade é apontada inclusive por quem há anos vende a raiz da mandioca.De acordo com a vendedora Inês da Silva Barbosa, de 55 anos, as raízes disponíveis no mercado estão vindo dos estados do Paraná, atualmente maior produtor de mandioca, e de Goiás, mas o cozimento “não está lá essas coisas”. Segundo ela, em Mato Grosso do Sul o plantio está praticamente zerado.

“Este é o primeiro ano que fico sem mandioca, por aqui simplesmente a gente não encontra e quando acha a qualidade não é boa e o preço é ruim”, explica.

Para driblar o problema, consumidores dizem que buscam substituir a raiz por batata ou abóbora, por exemplo.

E não é só o acompanhamento do churrasco de família ou a massa da coxinha frita que ficam comprometidos com o ‘sumiço’ da mandioca, produtores de farinha e polvilho também amargam prejuízos com a escassez, além se serem obrigados a elevar os preços na tentativa de tentar driblar a ‘crise da mandioca’.

“A falta e baixa qualidade da mandioca afeta diretamente a produção de farinha e polvilho, por causa disso somos obrigados a elevar o preço e todos sentem o impacto”, relata o comerciante Renan Tsuha, de 27 anos. Ele lembra ainda que há pelo menos oito anos não presencia uma falta tão acentuada.

De acordo com o vendedor Ronaldo Manja, de 54 anos, atualmente ele vende o quilo da mandioca a R$ 6,80, valor bem acima dos R$ 3,50 cobrados no ano passado. 

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) já anunciavam redução na produção da mandioca. Em 2015 a área plantada foi de 48.270 hectares, enquanto a previsão para todo a ano de 2016 foi estimada pelo Instituto em 36.687 hectares. Já a colheita em 2015 foi de um total de 44.486 hectares e a colheita esperada para este ano está na casa dos 36.000 hectares, segundo o IBGE.

Jornal Midiamax