Cotidiano / Economia

Inflação desacelera em agosto e tem menor índice do ano na Capital

A queda foi de 0,09% comparada ao mês de julho

Midiamax Publicado em 12/09/2016, às 17h02

None
dinheiro.jpg

A queda foi de 0,09% comparada ao mês de julho

A inflação e Campo Grande no mês de agosto – medida pelo Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) – registou o menor índice de 2016 até agora, representando 0,30%. A queda, que já vem sendo registrada, foi de 0,09% em relação a julho. Em agosto de 2015, por exemplo, o índice foi de 0,31% mostrando que a diminuição também foi maior comparada com o ano anterior.

Habitação

De acordo com a pesquisa, a alimentação continua sendo a grande responsável pela inflação, com aumento médio, em Campo Grande, de 0,88% e contribuição para inflação de 0,18%. Os problemas com habitação na capital, por sua vez, também ganharam destaque ao representarem elevação de 0,16% e contribuiu 0,05% para o índice geral do mês.

Já o vestuário, registrou acréscimo de 0,32% e contribuição de 0,03%. A Saúde, representou um aumentou de 0,30% e colaborou com 0,02% do total. As Despesas Pessoais, tiveram elevação de 0,03%, mas não registraram impacto no índice mensal.

“Os grupos Transportes e Educação apresentaram pequenas deflações: -0,23% e -0,20%, respectivamente”, explica o coordenador do Nepes da Uniderp, Celso Correia de Souza. 

Classes mais pobres sofrem maior impacto

A inflação acumulada nos últimos doze meses caiu apenas 0,01% em relação ao acumulado até julho. O índice fechou em 9,33%, acima do teto de 6,5%, e também acima do centro, de 4,5%, das metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O pesquisador afirma que o resultado não deve atingir as expectativas do governo, que esperava que chegasse ao teto da meta fiscal, por conta da queda, que está lenta. A alimentação registrou o maior índice: 16,91%, em seguida vem a Educação com 12,71% e Transportes, 9,33%.

“Percebe-se que a inflação tem impactado com mais força as classes com menor poder aquisitivo, que priorizam a alimentação neste período de dificuldade”, complementa o professor.

No acumulado de 2016, a inflação já atinge 5,57%, ultrapassando o centro da meta do CMN. “São esperados indicadores menores nos próximos meses, principalmente, pela melhora do clima. Apesar ainda penalizar a inflação da Alimentação, o clima poderá ajudar a baixar o índice do grupo, impactando na redução da inflação geral”, analisa Celso.

IPC/CG

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos. A Uniderp divulga mensalmente o IPC/CG.

Jornal Midiamax