Cotidiano / Economia

Senado aprova reajuste na tabela do Imposto de Renda

A faixa mais alta, com imposto de 27,5%, pega todos com salário maior do que R$ 4.664,68

Clayton Neves Publicado em 01/07/2015, às 13h41

None
leao.jpg

A faixa mais alta, com imposto de 27,5%, pega todos com salário maior do que R$ 4.664,68

Os senadores aprovaram na noite de terça-feira (30) o Projeto de Lei de Conversão (PLV) que corrige os valores Mensais da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). A MP 670/2015 foi editada pelo Executivo como uma alternativa ao veto do projeto anterior que assegurava reajuste linear de 6,5% e prevê correção que varia de 4,5% a 6,5%, em vigar desde abril deste ano.

De acordo com a Agência Senado, a pauta irá agora para a sanção presidencial. A MP aponta que os trabalhadores que ganham de R$ 1.903,99 a R$ 2.826,65 pagam 7,5% em IR, enquanto os que recebem de R$ 2.826,65 a R$ 3.751,05 pagam 15%. Já para as rendas entre R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68 pagarão 22,5%.

A faixa mais alta, com imposto de 27,5%, pega todos com salário maior do que R$ 4.664,68. Os que recebem menos de R$ 1.903,99 não recolhem Imposto de Renda. 

A medida também reajustou as deduções mensais e as da declaração anual do IRPF. Desde abril, a dedução mensal com dependentes passou para R$ 189,59 – era de R$ 179,71 no primeiro trimestre do ano. A dedução anual por dependentes, por sua vez, é agora de R$ 2.275,08. As despesas com educação também estão corrigidas. A dedução da declaração anual passou de R$ 3.375,83 para R$ 3.561,50 na declaração de 2016.

Jornal Midiamax