Cotidiano / Economia

Reflexos da volta do IPI devem surgir em fevereiro

Com a volta do IPI, custo de um carro popular pode subir em torno de R$ 1,7 mil

Thatiana Melo Publicado em 07/01/2015, às 12h44

None
conce.jpg

Com a volta do IPI, custo de um carro popular pode subir em torno de R$ 1,7 mil

O fim da redução de IPI (Imposto Sobre Produtos Importados) sobre carros zero, que passou a valer no começo deste mês, deve refletir diretamente nas concessionárias a partir de fevereiro. Até lá, as empresas tendem a desovar estoques de 2014 mas, se o consumidor quiser um modelo 2015, já terá de pagar em torno de R$ 1,7 mil a mais, no caso dos veículos populares.

Para Alexandre Martinez, gerente de uma concessionária em Campo Grande, ainda é cedo para dizer como o mercado vai se comportar “Nós criamos estratégias para compensar esta diferença e não repassar (o aumento de IPI) para os consumidores. E ainda temos estoques antigos, então até o fim do mês não haverá alterações”, explica.

Agora, o imposto sobre os veículos populares sobe de 3% para 7%. Já para os carros flex, o índice, que era de 9%, vai para 11%, e os movidos à gasolina sai de 10% para 13%.

Na prática, o reflexo total do imposto sobre um carro popular fica em torno de R$ 1,7 mil. Para o economista Thales de Souza Campos, essa não é uma boa hora para trocar de veículo. “O consumidor que tem recurso e que iria fazer esta troca deve fazer, mas quem estava pensando em financiar deve esperar, porque está não é uma boa hora, principalmente, por causa das várias despesas no começo do ano”, explica Thales.

De acordo com o economista, desde a implantação da redução do IPI houve um crescimento econômico em 2010, em Mato Grosso do Sul, da ordem de 11% em relação ao resto do país. Mas, este crescimento ficou tímido nos últimos anos, chegando a um encolhimento entre o fim de 2014 e este começo de 2015, o que assustou muito o comércio da capital. 

Outro problema que muitos consumidores acabam não colocando no papel na hora da compra do carro seriam as despesas extras, fora o parcelamento. Aí incluem-se combustível, IPVA, seguro, licenciamento e até lavagens, que podem gerar um custo extra para um carro popular na média de R$ 380 a R$ 500 por mês.      

Martinez avalia que, com a volta do imposto, o custo no final do IPI para um carro de R$ 25 mil seria em torno de R$ 1,3 mil. Agora, diz ele, as concessionárias podem transformar este “aumento” em benefícios para o consumidor a fim de estimular as vendas.

Jornal Midiamax