Cotidiano / Economia

Petrobras reduz investimentos em 37%, para US$ 130,3 bilhões

rodução em 2015 deve ficar em cerca de 2,1 milhões de bpd

Clayton Neves Publicado em 29/06/2015, às 13h28

None
negocios-energia-petrobras-plano.jpg

rodução em 2015 deve ficar em cerca de 2,1 milhões de bpd

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (29) que planeja investir US$ 130,3 bilhões entre 2015 e 2019, uma queda de cerca de 40 por cento em relação ao Plano de Negócios e Gestão 2014-2018. A estatal prevê elevar a produção de petróleo no Brasil até 2020 para 2,8 milhões de barris por dia (bpd), bem abaixo dos 4,2 milhões de bpd estimados no plano anterior. A produção em 2015 deve ficar em cerca de 2,1 milhões de bpd.

A estatal reduziu a projeção de investimentos e, por consequência, de produção após ter sido no ano passado pelo escândalo de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, com impactos financeiros e na cadeia de prestadores de serviços.

Na comparação com o montante total previsto no plano anterior, de US$ 220,6 bilhões, a redução dos investimentos foi de 41%. Se considerada apenas a carteira de negócios em implantação e em processo de licitação do plano 2014-2018, de US$ 206,8 bilhões, o corte foi de 37%. A estatal informou ainda que pretende vender ativos neste e no próximo ano totalizando US$ 15,1 bilhões, ante uma estimativa anterior de US$ 13,7 bilhões.

O novo plano também prevê “esforços em reestruturação de negócios, desmobilização de ativos e desinvestimentos adicionais, totalizando US$ 42,6 bilhões em 2017/2018”.

Em relação aos investimentos, a área de Exploração & Produção (E&P) continuará com a maior parte dos aportes nos próximos anos, com um total de US$ 108,6 bilhões, à medida que a empresa tem grandes projetos no pré-sal para serem desenvolvidos e operados. “Na atividade de exploração no País, os investimentos estão concentrados no Programa Exploratório Mínimo de cada bloco”, disse a companhia.

Do total de investimentos em E&P, 86% serão alocados para desenvolvimento da produção, 11% para exploração e 3% para suporte operacional. A carteira de investimentos prioriza projetos de exploração e produção de petróleo no Brasil, com ênfase no pré-sal, disse a empresa.

Nas demais áreas de negócios, os investimentos serão usados basicamente para a manutenção das operações e para projetos relacionados ao escoamento da produção de petróleo e gás natural.

As ações da Petrobras subiam na bolsa paulista, após terem registrado queda na abertura do pregão.

Jornal Midiamax