Cotidiano / Economia

Multinacional investe R$ 610 milhões em processamento de soja em MS

É primeira contratação de recursos do FDCO

Diego Alves Publicado em 29/10/2015, às 00h28

None
colheita-de-soja-2012.jpg

É primeira contratação de recursos do FDCO

A efetivação do investimento de R$ 610 milhões que será feito pela multinacional de processamento de soja ADM (Archer Daniels Midland Company) em Mato Grosso do Sul, marca uma nova fase na atração de empreendimentos para o Estado que utilizam tecnologia de ponta na transformação de matéria-prima.

No final da tarde de terça-feira (27), o governador Reinaldo Azambuja, o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Elias Verruck e os secretários, Eduardo Riedel (Governo e Gestão Estratégica) e Márcio Monteiro (Fazenda), reuniram-se com executivos da ADM para formalizar a cessão de uma área 10.356 metros quadrados no Núcleo Industrial de Campo Grande para a instalação da planta industrial que irá produzir proteína de soja texturizada – a primeira desse porte na América Latina.

A concretização do empreendimento foi garantida por meio da contratação de R$ 274 milhões feita pela ADM junto ao Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO). “É primeira contratação de recursos do FDCO concretizada para Mato Grosso do Sul, outro fator que simboliza esse novo momento na atração de investimentos para o Estado”, disse Jaime Verruck.

Os executivos da multinacional, que participaram da reunião – Luiz Lopes, presidente da ADM América do Sul e Vincent Macciocchi, vice-presidente Sênior e presidente da ADM Wild Flavors & Speciality Ingredients – apresentaram mais detalhes do investimento ao governador e demais presentes. “A nova planta da ADM em Campo Grande vai proporcionar para a América Latina todo o portfólio de proteínas de soja oferecido por nossa empresa, agregando valor à cadeia e trazendo inovação à região e o empenho do governo de Mato Grosso do Sul foi fundamental para a viabilização desse investimento”, afirmou Luiz Lopes.

Segundo Roberto Ciciliano, diretor de negócios sul-americano para a Divisão de Foods & Wellness (Alimentos e Bem-Estar), e responsável pela implementação do complexo em Campo Grande, “a indústria vai gerar 80 empregos diretos e muitos outros indiretos, além de proporcionar faturamento para o município e proporcionar investimentos na capacitação profissional”.

De acordo com o secretário, “Mato Grosso do Sul foi escolhido por uma das maiores empresas do mundo para abrigar uma indústria de altíssima tecnologia. Entramos agora em uma segunda fase é a da viabilização de um cluster de proteína texturizada, de tal forma que possamos atrair outros empreendimentos que possam utilizar essa matéria-prima de alto valor agregado”.

Durante o encontro com os executivos da ADM foram apresentadas opções de potenciais investimentos que podem ainda ser feitos pela multinacional em Mato Grosso do Sul. “O governador Reinaldo Azambuja reforçou o potencial do Estado na produção de sucos e de etanol de milho, duas fortes áreas de atuação da empresa. Fizemos ainda um pedido para que a ADM considere as condições oferecidas em Campo Grande e reforce sua estrutura administrativa no Estado”, lembrou Verruck.

Contratação do FDCO

A instalação da planta industrial da ADM em Campo Grande foi garantida graças à primeira contratação junto ao FDCO feita por um empreendimento a ser feito em Mato Grosso do Sul. A operação foi conduzida pela Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), que gerencia o fundo. “O grande diferencial do FDCO é o prazo de até 20 anos para pagamento, além das taxas de juros mais baixas do mercado e a capacidade de atrair projetos estruturantes para o Estado, com potencial de modificar a realidade local através de grandes empreendimentos, disse o coordenador-Geral de Gestão do FDCO e de Incentivos Fiscais, Agricio Filho de Castro Braga. Ele e o superintendente da Sudeco, Cleber Ávila Ferreira, participaram do encontro com o governador Reinaldo Azambuja e os executivos da multinacional de soja.

Conforme Cleber Ávila Ferreira, desde a regulamentação do FDCO em 2013, em Mato Grosso do Sul, o governo do Estado tem atuado de forma proativa. “Temos quatro propostas consolidadas totalizando R$ 3 bilhões em consultas prévias apresentadas pelo setor produtivo de Mato Grosso do Sul. O Fundo financia empresas com empreendimentos de infraestrutura ou considerados estruturadores da economia, visando ao fortalecimento da atividade produtiva regional e à geração de emprego e renda, com condições de taxas de juros e prazos favorecidos” afirmou o Superintendente.

Executivos do Banco do Brasil, agente financeiro para a contratação do empréstimo feito pela ADM, também participaram. O superintendente do Banco no Estado, Evaldo Emiliano de Souza e o gerente de agência "large corporate" do BB, Sérgio Luis Nogueira, reforçaram a parceria de sucesso com o governo de Mato Grosso do Sul na atração de investimentos nas mais variadas vertentes.

Jornal Midiamax