Cotidiano / Economia

Kátia Abreu afirma que já esperava orçamento menor para ministério

  Ela cobrou inteligência do ministro da Fazenda ao comentar redução do valor para despesas mensais

Diego Alves Publicado em 09/01/2015, às 23h34

None

Ela cobrou inteligência do ministro da Fazenda ao comentar redução do valor para despesas mensais

A ministra da Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Kátia Abreu evitou confronto com o titular da Fazenda, Joaquim Levy, mas cobrou “inteligência” do ministro ao comentar sobre a expectativa de corte efetivo no provisionamento de recursos após a aprovação o Orçamento de 2015 pelo Congresso e o impacto sobre o Plano de Safra 2014/2015.

“Eu diria ao produtor que 2015 é um ano de cautela e de observação no mercado, muito mais no mercado do que no Joaquim Levy. Se o mundo estiver pedindo mais [alimentos], tenho certeza que de o Levy terá inteligência para ver”, afirmou em discurso a ministra.

Katia disse que já pretendia trabalhar com menores provisões de recursos para modernizar a pasta, mas apenas no sentido dos gastos, para efetuar investimentos para

modernizar o ministério, apontado por ela como ‘um dos mais importantes do Brasil’. “Eu não vejo nenhuma ação do governo que possa fazer redução justamento no setor que dá mais resultados ao Brasil. Eu até brinquei numa outra entrevista que dei a vocês dizendo que eu até posso ser surpreendida por boas noticias, nas quais a Fazenda pode entender que o nosso setor precisa de mais investimentos para dar mais retorno e resultado”, disse.

A ministra afirmou que prepara um plano de trabalho para fazer um gasto melhor dos recursos da Agricultura, que tem previstos R$ 11,6 bilhões para despesas em 2015. O corte orçamentário anunciado ontem pelo governo significa uma redução mensal de R$ 47,5 milhões nessas despesas, até que o Congresso Nacional aprove o Orçamento de 2015, o que se espera que ocorra em março. Segundo a Kátia Abreu, sobre o total de recursos administrados pelo ministério, o orçamento disponível no primeiro trimestre pode ser reduzido de R$ 427 milhões para R$ 255 milhões – uma diferença de R$ 172 milhões.  

Jornal Midiamax