Governo tem rombo inédito no 1º semestre

Foi o primeiro saldo negativo nas contas da União para o período desde pelo menos 1997
| 31/07/2015
- 16:18
Governo tem rombo inédito no 1º semestre

Foi o primeiro saldo negativo nas contas da União para o período desde pelo menos 1997

O governo federal fechou o primeiro semestre com um deficit inédito em suas contas, mostrando a dificuldade do setor público em economizar recursos para o pagamento da dívida em meio à queda da arrecadação.

A diferença entre despesas e receitas foi de R$ 1,598 bilhão, no primeiro saldo negativo nas contas da União para o período desde pelo menos 1997, quando começa a série do Tesouro Nacional. Apenas no mês passado, as contas tiveram um rombo de R$ 8,2 bilhões. No primeiro semestre de 2014, o governo federal teve superavit de R$ 17,4 bilhões. “O resultado ainda se mostra bastante negativo, por isso o governo está tomando as medidas que considera necessárias”, afirmou o secretário do Tesouro, Marcelo Saintive, em referência ao novo corte orçamentário de R$ 8,6 bilhões anunciado na semana passada e cujos detalhes foram revelados ontem.

No mês de junho, a arrecadação da Receita Federal sofreu uma queda real (descontada a inflação) de 2,44% na comparação com o mesmo período do ano passado, refletindo o fraco desempenho da atividade econômica. No semestre, quando incluídas outras receitas, como a de concessões e de dividendos das estatais, a redução foi de 3,3%. As despesas, por outro lado, aumentaram 0,5% no período, com destaque para a alta de 3,8% dos gastos com o pagamento de benefícios da Previdência.

Meta

O governo tem como meta economizar R$ 5,831 bilhões neste ano para o pagamento de juros da dívida. Considerando também os resultados de Estados e municípios, o objetivo é obter um saldo positivo de R$ 8,747 bilhões, o equivalente a 0,15% do PIB. A meta, no entanto, prevê uma cláusula de abatimento que permite excluir do resultado algumas projeções de arrecadação que não se confirmem. Na prática, o resultado pode chegar a um deficit de até R$ 17,7 bilhões. Saintive disse que historicamente o período de junho a agosto é de resultados menos expressivos e que o saldo acumulado até o momento não indica que a meta de 0,15% do PIB não será atingida. O cumprimento da meta é importante para o país manter o grau de investimento concedido pelas agências de classificação de risco e que é fundamental para que o país esteja na mira de grandes investidores internacionais. Além disso, quanto melhor a nota concedida a empresas e países, menor tende a ser o custo de sua dívida. Na terça-feira, a agência Standard & Poor’s deixou o Brasil mais perto do rebaixamento, colocando a nota do país em perspectiva negativa.

Segundo o secretário, na avaliação do governo, a queda da arrecadação não é explicada apenas pelo fraco desempenho da economia, mas porque parte das empresas tem optado por prorrogar o pagamento de impostos.

Dívida

Para Saintive, o aumento na taxa de juros anunciado pelo BC anteontem não afeta de forma expressiva a trajetória estimada pelo governo para a dívida pública. A previsão oficial, que tem como parâmetro uma taxa Selic de 14% no fim deste ano, é que a dívida pública feche dezembro em 65,7% do PIB, sofra nova alta em 2016 e passe a recuar a partir de 2017. A Selic, no entanto, já foi elevada para 14,25% e analistas não preveem redução ainda neste ano. “Uma queda incipiente (da dívida) vai começar em 2017 independentemente do aumento”, afirmou.

Veja também

Ritmo havia sido interrompido pela pandemia da covid.

Últimas notícias