Cotidiano / Economia

Brasil fecha 115 mil vagas em maio, pior resultado desde 1992

Em visita a MS o ministro destacou que foram fechados 243.948 postos com carteira assinada

Gerciane Alves Publicado em 19/06/2015, às 16h46

None
emprego.jpeg

Em visita a MS o ministro destacou que foram fechados 243.948 postos com carteira assinada

O Brasil fechou 115.599 vagas formais de trabalho em maio, mostrou o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgado pelo Ministério do Trabalho. Trata-se do pior resultado para o mês desde o início da série histórica do indicador, em 1992.

Além disso, é primeira vez em que há corte de vagas no quinto mês do ano. A mediana das expectativas de analistas consultados pela Reuters apontava para o fechamento de 38 mil postos no mês. Em abril, foram fechadas 97.827 vagas no país, segundo dados não ajustados.

Em visita a Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (19) o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias destacou que na contramão da redução de postos em todo o país o Estado ficou entre as quatro unidades da federação com saldo positivo de emprego formal.

Em relação à queda na geração de emprego Dias afirmou que na próxima semana deverá ser montado um Comitê Interministerial para a discussão do processo de modernização do parque industrial brasileiro. “Precisamos atacar a qualidade profissional para criar competitividade”, ressalta.

Dados alarmantes

Entre janeiro e maio, foram fechados 243.948 postos com carteira assinada, o pior resultado para este período da série histórica disponibilizada pelo Ministério do Trabalho, que começa, para o período acumulado do ano, em 2002. Em 12 meses, o país já fechou 452.835 vagas formais.

O resultado do último mês foi fundamentalmente impactado pelo fechamento de 60.989 postos na indústria de transformação. Também pesaram o desempenho da construção civil (-29.795), serviços (-32.602) e comércio (-19.351), sendo que dos oito segmentos levantados, apenas a agricultura mostrou saldo positivo (+28.362).

A pior no mercado de trabalho reflete o aumento da procura por emprego em uma ponta e a criação de menos postos em outra, engrossando a fila dos que seguem buscando ocupação.

“Nos últimos 12 anos foram criados 21 milhões de postos de trabalho, porém é preciso ajustar a economia para que possamos continuar gerando vagas formais. Somente o FGTS vai aportar esse ano cerca de 70 bilhões de reais, que vai beneficiar, principalmente, o setor da construção civil”, informou, em nota.

Jornal Midiamax