Cotidiano / Economia

Bolsas asiáticas sobem após dados fracos de empregos nos EUA

Crescimento de 126 mil empregos ficou muito abaixo de expectativas

Gerciane Alves Publicado em 06/04/2015, às 12h18

None
bolsas.jpg

Crescimento de 126 mil empregos ficou muito abaixo de expectativas

O índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão alcançou uma máxima e o dólar se estabilizou, mas continuava sob pressão nesta segunda-feira (6), depois que um decepcionante relatório de empregos nos Estados Unidos levaram investidores a cortar apostas de que o Federal Reserve, banco central do país, elevará logo a taxa de juros.

Dados do Departamento do Trabalho dos EUA mostraram que os empregadores norte-americanos criaram em março o menor número de vagas em mais de um ano. O crescimento de 126 mil empregos ficou muito abaixo de expectativas de um ganho de 245 mil vagas previsto numa pesquisa da Reuters com economistas.

O índice MSCI de ações da região exceto Japão avançou a uma máxima desde setembro de 2014, e às 7h42 (horário de Brasília), subia 0,66%. O índice japonês Nikkei teve queda de 0,2%, embora tenha reduzido fortes perdas do começo da sessão após o iene devolver ganhos ante o dólar.

“O dólar provavelmente continuará pressionado por algum tempo com a diminuição das expectativas para a elevação da taxa de juros pelo Federal Reserve em junho”, disse o analista da Dongbu Securities Park Yu-na.

Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,19%, a 19.397 pontos.

Em HONG KONG, o índice HANG SENG não operou.

Em XANGAI, o índice SSEC não funcionou.

Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,05%, a 2.046 pontos.

Em TAIWAN, a bolsa não teve negociações.

Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,02%, a 3.452 pontos.

Em SYDNEY, a bolsa estava fechada.

Jornal Midiamax