Cotidiano / Economia

Arrecadação após redução do ICMS do diesel continua negativa e preocupa governo

O Governo ainda espera recuperar a arrecadação

Diego Alves Publicado em 08/10/2015, às 22h21

None
capa-para-bomba-de-combustivel-7286-mlb5180451221_102013-f.jpg

O Governo ainda espera recuperar a arrecadação

O preço do litro do óleo diesel continua alto em Mato Grosso do Sul e a arrecadação não apresentou o aumento necessário para compensar a redução do ICMS concedido pelo governo no Estado, de acordo com o deputado Paulo Corrêa (PR), que preside a Assembleia Legislativa, a Comissão de Acompanhamento do Preço do Diesel no Estado.

Em reunião realizada hoje na Assembleia Legislativa, a Comissão constatou que em setembro a arrecadação ficou 11,6% negativa. Os parlamentares querem fazer uma força tarefa no intuito de aumentar as vendas no Estado.

“Temos uma meta a atingir e o volume vendido não está correspondendo. Com o preço com essa alíquota diferenciada de 17% para 12% e com arrecadação 11,6% menor, acredito que temos que fazer uma revisão dessa situação sob pena de não atingir a meta até o final do ano. Temos que considerar também o aumento no valor do combustível anunciado pelo governo e, além disso tem que haver  responsabilidade dos postos de combustíveis, em especial, para que não se perca essa conquista que foi a redução do ICMS do diesel”, disse.

Em setembro, o preço médio praticado nos postos do Estado foi de R$ 2,87. De acordo com a pesquisa realizada mensalmente nos postos de combustíveis de todos os municípios do de Mato Grosso do Sul, Aparecida do Taboado foi onde o preço do diesel ficou mais em conta, R$ 2,81. Já Camapuã registrou o preço mais alto, que foi de R$3,19.

Para o Secretário Adjunto de Fazenda, Jader Rief Julianelli Afonso, embora os resultados sejam negativos, o Governo ainda espera recuperar a arrecadação para aumentar o consumo de óleo diesel até dezembro.

A próxima reunião da Comissão foi agendada para o dia 11 de novembro na Assembleia Legislativa. Participaram da reunião o assessor da presidência do Setlog-MS, Dorival Oliveira; o gestor de Substituição Tributária da Sefaz, Rosinei Alves de Barros;  deputado João Grandão (PT); o representante da Fiems, Michael Gorski; representante do Simpetro, Edson Lazaroto; e o Fiscal Tributário Paulo Shiota.

Jornal Midiamax